Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Sessão extraordinária da Câmara de Criciúma vai acontecer normalmente

Vereadores tentaram o cancelamento para analisar melhor a proposta, mas não tiveram resposta
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 23/12/2019 - 14:35Atualizado em 23/12/2019 - 15:11
Foto: Arquivo / 4oito
Foto: Arquivo / 4oito

“Vai ocorrer a sessão com certeza”, essa foi a fala do vereador Julio Kaminski (PSDB) sobre a possibilidade de cancelamento da sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Criciúma. O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) conseguiu, por uma ação judicial, uma medida que muda o quórum necessário de 12 para 9 votos, visando alterar a alíquota do Criciumaprev de 11% para 14%.

“O ideal seria suspender, mas eu acho pouco provável, o sindicato chegou a fazer uma solicitação. Vamos ver, se tiver que ter sessão, vamos discutir o assunto e ver o que a gente pode mitigar, que são os projetos”, comentou Kaminski. O objetivo era estudar melhor a pauta. “A ideia era conversar com os vereadores para discutir isso”, citou.

O Projeto de Lei Complementar (PLC) foi enviado a Câmara na última sexta-feira, 20. A sessão está marcada para 17h, desta segunda-feira, 23, horário normal. Zairo Casagrande (PSD), Edson Paiol (PP) e Ademir Honorato (MDB), junto com Kaminski, assinaram um pedido para cancelar a sessão, que foi encaminhado ao Judiciário ainda pela manhã, por enquanto sem uma resposta.

“Se fosse uma pessoa só já tava valendo, claro que se tivesse uns sete ou oito era mais hábil. Não tivemos nem tempo para ver o projeto, chegou na sexta-feira”, contou Honorato. Segundo ele, a proposta precisava ser analisada com cautela. “´É um projeto cabeludo”, destacou.

A diretoria de comunicação (DECOM), enviou uma nota confrimando a sessão:

"A sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Criciúma, marcada para às 17 h desta segunda-feira (23) está mantida. Quatro vereadores ingressaram com pedido de suspensão em Mandado de Segurança número 5011892-48.2019.8.24.0020, mas a liminar foi negada pela juíza de plantão Débora Driwin Rieger Zanini."