Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Operação Seival mirou empresário em Criciúma e vereadores em Laguna

Parlamentares e secretário operavam esquema de licitações em Laguna, centro das investigações
Redação
Por Redação Laguna, SC, 24/09/2020 - 14:10Atualizado em 24/09/2020 - 14:13
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um empresário com atuação no segmento da construção civil e com investimentos em Laguna foi o visitado pela Operação Seival 2 em Criciúma. A operação, deflagrada pelo Ministério Público (MPSC) e Polícia Civil nesta quinta-feira, 24, investiga crimes de fraudes em licitações, corrupção ativa e passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato envolvendo empresários, agentes políticos e servidores públicos. Além de Criciúma, a operação cumpriu mandados em Laguna, Tubarão, Imbituba, Imaruí, Capivari de Baixo, Itajaí, Navegantes e Florianópolis.

Conforme informações preliminares, o empresário visitado pela força-tarefa em Criciúma mantinha, em casa, um revólver não registrado, o que fez ele ser autuado. Mediante o pagamento fiança, ele foi liberado.

A cidade com mais mandados cumpridos foi Laguna, onde três vereadores e um secretário municipal foram detidos e conduzidos à sede da Diretoria Estadual de Investigação Criminal (Deic), em Florianópolis, para prestar esclarecimentos. Segundo o Agora Laguna, os detidos na cidade foram os vereadores Cleosmar Fernandes, Thiago Duarte e Valdomiro Barbosa além do secretário de Obras, Renato de Oliveira. Ainda em Laguna, celulares de outros vereadores foram apreendidos e houve determinação para que dez pessoas não acessem mais a sede da Câmara. 

Confira também:

MPSC e Polícia Civil deflagram a Operação Seival

Operação Seival desarticula organização criminosa em Laguna

Laguna é o epicentro da investigação, de onde partiriam as irregularidades que contam com ramificações, além de Criciúma, nas cidades de Tubarão, Imbituba, Imaruí, Capivari de Baixo, Florianópolis, Itajaí e Navegantes. Há, no que foi investigado até aqui, indícios de superfaturamento e ausência de execução de obras contratadas pela prefeitura, além de fraudes ao Instituto de Previdência (Iprev), datadas de 2016.

A primeira fase da Operação Seival é de novembro de 2017. Na ocasião, foram cumpridas 76 ordens judiciais, com sete prisões preventivas e seis temporárias, também na região de Laguna. Foi apontada a existência de uma organização criminosa que atuava em licitações, na realização de obras e fornecimento de materiais, e que teria a participação de um vereador licenciado que, na época, operava o esquema enquanto secretário municipal.