Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Mulher trans é atacada com mais de 30 facadas em Içara

Rebeka Curtts foi esfaqueada por dois homens, sendo um deles um cliente de longa data
Redação
Por Redação Içara - SC , 19/10/2020 - 14:53Atualizado em 19/10/2020 - 16:08
Foto: Reprodução / Instagram
Foto: Reprodução / Instagram

A jovem transexual Rebeka Curtts, de 28 anos, foi vítima de uma tentativa de latrocínio no último sábado, 17, em Içara. Em um post em seu perfil do Instagram, Rebeka afirma ter sido atacada por dois homens que deram mais de 30 facadas nela, inclusive na cabeça e rosto. Os criminosos levaram seu carro e celular.

“Mais uma tentativa ontem de homicídio e latrocínio em Criciúma. Fui esfaqueada por um guri, levei mais de 30 facadas, estou viva por Deus. Além de tentar me matar, roubaram meu carro”, escreveu em sua rede. 

Rebeka afirmou que um dos homens que a atacou era um cliente seu de longa data, com o qual já havia inclusive saído. Em seu relato, a transexual destaca que o homem combinou de se encontrar com ela para pagar o que estava devendo, informando que levaria um amigo.

Moradora de Criciúma, a jovem foi de carro até o local combinado. No local, em uma estrada de terra na zona rural da cidade, o homem tentou executar o pagamento em uma máquina de cartão, mas o procedimento acabou sendo recusado. Os homens então puxaram cada um uma faca e agrediram a jovem.

Rebeka então foi colocada dentro do carro, mas afirma que conseguiu destravar a porta e saltar do veículo que estava em movimento. A jovem procurou ajuda em um sítio próximo, sendo socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada ao Hospital São Donato, onde recebeu o atendimento e prestou depoimento para a Polícia Civil.

O delegado Rafael Iasco, da Polícia Civil de Içara, afirmou que o carro de Rebeka foi localizado e recuperado ainda na noite de sábado. Buscas foram realizadas pelas autoridades na região, mas os suspeitos ainda não foram encontrados e nem identificados. Um inquérito policial será instaurado para investigar o caso.

(Com informações de UOL e IstoÉ)