Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Moreira explica a transição do cargo a Moisés

Atual governador e eleito devem conversar diariamente sobre as atividades das secretárias
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 30/10/2018 - 09:48Atualizado em 30/10/2018 - 09:55
(foto: arquivo 4oito)
(foto: arquivo 4oito)

O segundo turno das eleições foi no domingo e a transição do cargo de governador deve começar nesta terça-feira (30). Na segunda (29) Eduardo Moreira e Comandante Moisés se reuniram, conversando em particular sobre o futuro de Santa Catarina.  Em entrevista ao Programa Adelor Lessa, Moreira destacou a complexidade que o cargo propõe, falando também sobre o eleito.

“Ele é um homem tranquilo e preparado, já acostumou-se com as demandas intensas como candidato e agora como governador eleito. Está conhecendo a complexidade de uma administração pública estadual, as histórias que vem de todos os lados, de qualquer maneira, foi uma conversa longa que tivemos e ele ficou conhecendo por meu intermédio, detalhes de toda essa máquina”, afirmou.

O atual governador lembra que durante as reuniões pretende explicar as atividades de cada uma das secretárias, incluindo os cargos dispostos em cada uma delas e o salário pago aos servidores. Acredita que as conversas devem durar até 15 dias, antes que o eleito comece a tomar as suas decisões. 

“Hoje estaremos novamente reunidos, agora com a Secretária da Fazenda, que tem conexão com todos os outros órgãos do Governo. Ela que recebe as receitas e faz a distribuição, são várias fontes do dinheiro e como elas podem ser distribuídas. Teremos uma reunião longa para tratar especificamente desse assunto, também sobre o pagamento dos servidores. Eu entregarei o cronograma e o organograma da máquina estatal”, contou Moreira.

Gelson Merisio

Durante a campanha, Moreira se envolveu em uma polêmico, rebatendo no Twitter as provocações de Gelson Merisio (PSD). “Eu reagi a uma afirmação que ele vinha fazendo reiteradamente contra um partido que eu presidi por dez anos. Ele tava mentindo sempre e eu não me contive, então reagi daquela forma e agredi mesmo. Tem uma série de processos investigatórios, como enriquecimento ilícito e outras que com certeza vem pela frente”, explicou.

Confira a entrevista completa: