Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Itamar: "Eu vim aqui fazer o meu melhor" (VÍDEO)

Novo técnico lança um desafio na chegada ao Criciúma: "achem uma comissão técnica que ganhou quatro títulos nos últimos seis anos"
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 08/10/2020 - 14:20Atualizado em 08/10/2020 - 17:14
Foto: Celso da Luz / Criciúma EC
Foto: Celso da Luz / Criciúma EC

Embora a má campanha do Criciúma, Itamar Schulle mostra que chegou, chegando. O novo técnico tricolor, apresentado na tarde desta quinta-feira, 8, para substituir Roberto Cavalo na sequência da Série C do Campeonato Brasileiro, promete empenho total na busca do grande objetivo: o acesso.

"É um momento de nos unir e buscar o que necessitamos, as vitórias, a classificação entre os quatro e, no dia a dia, em conjunto com a direção de futebol, com o presidente, a gente olhar as necessidades, se assim for necessário, as necessidades de algum reforço, de fazermos esse trabalho em conjunto com o objetivo principal de buscar essa classificação e depois brigar pelo acesso à Série B, vejo que é o passo mais importante nesse campeonato", destacou.

A estreia de Itamar no Criciúma - ou reestreia, já que ele treinou o time em 2009 e 2010 - será no domingo, 11, às 20h, contra o Londrina no estádio Heriberto Hülse, pela primeira rodada do segundo turno da Série C. Ele assume o Tigre em quinto lugar no Grupo B da Série C com 12 pontos.

Dificuldades à vista

Mas Itamar alertou para as dificuldades que a Série C impõe. "A competição é muito difícil, os grupos são difíceis. Não dá para dizer qual grupo é mais forte, são todas as equipes bem preparadas e se preparando cada vez melhor, contratando mais para buscar essas vagas. Vejo o elenco do Criciúma e os jogos que vi, um elenco com qualidade, todo mundo passa por situações difíceis, é mais uma de tantas que o Criciúma já passou, mas ela é, com um conjunto de fatores, todos temos como resolver", garantiu.

Ele lembrou que, na sua passagem anterior, o Criciúma vivia um dos piores momentos da sua história. "Eu não vi, pode ter acontecido, vocês podem dizer, eu faz dez anos que saí daqui, eu não vi um momento pior do que eu assumi há dez anos. Eu não me lembro do Criciúma ter passado por um momento pior, se passou vocês têm que me dizer. O Criciúma tinha perdido aqui por 4 a 1, se empata lá o Criciúma tinha caído. Tivemos que vencer lá com um gol do Glaydson de perna esquerda, que nunca tinha chutado de perna esquerda. Depois vencemos o Brasil aqui revelando jogadores da base e foi um trabalho muito difícil", recordou.

Já subiu na C

Itamar tem experiência na Série C. Em 2018 conquistou o acesso com o Cuiabá. "A gente disputou a Série C pelo Cuiabá e foi muito difícil. Fomos montar um time, para montar um grupo foi complicado, você convida um jogador para disputar em 2018 a Série C, fomos campeões do Mato Grosso em 2018 e 2019, convidar um atleta para jogar no Cuiabá, ninguém queria ir. Quem queria ir para o Mato Grosso? Foi difícil. Ninguém queria", sublinhou. "O Criciúma, não. O Criciúma é um clube que revela, formador, campeão de tantas glórias como acabei de dizer, é um clube onde você faz um convite, como foi feito a mim, a um atleta, a possibilidade de ele vir é grande. A conquista pelo Cuiabá nos deu um amadurecimento de ver a dificuldade que é", observou.

O novo técnico tricolor lembrou a importância de criar um bom ambiente de trabalho. "Cada treinador tem um pensamento, uma forma de gerir elenco e trabalhar com grupo. Eu vejo que o bom ambiente é fundamental, independente do momento que se vive. Não pode ter um bom ambiente só quando é líder, tem que ter bom ambiente quando não é líder e está com salário atrasado também. Isso que nós treinadores temos também que fazer parte, fazer um bom ambiente, ajudar nesse processo", registrou. "E vim aqui fazer o meu melhor, eu acabei de falar isso no almoço. Tudo tem que ser analisado, eu analiso o meu trabalho, não me escondo atrás do que eu conquistei há seis, sete anos", emendou.

Quatro títulos desde 2015

Aí, Itamar lançou um desafio. "Achem uma comissão técnica que ganhou quatro títulos nos últimos seis anos", destacou, lembrando os recentes bons resultados. Ele ganhou o Paranaense de 2015 pelo Operário, o Paraibano de 2017 no Botafogo e o bicampeonato matogrossense em 2018 e 2019 no Cuiabá, além de, pelo mesmo clube, assegurar um acesso à Série B em 2018. Mas foi provocado, também, a recordar os rebaixamentos com o ABC, em 2017, e o Vila Nova, na temporada passada. "Quando chega numa equipe, por exemplo, no ABC, não podia mais contratar, buscamos jogadores na base, não conseguimos, em cinco jogos livrar o ABC, mas conseguimos em cinco jogos dar para o ABC o que ele não teve em dois anos, parte financeira, na venda dos atletas, investimentos na base que estavam parados. No Vila Nova também, momento difícil, cinco jogos, por questão de uma vitória a gente não conseguiu o resultado", frisou.

Mas o técnico vê diferenças entre as passagens por ABC e Vila Nova e agora, a situação do Criciúma. "São situações diferentes. Hoje pegamos um trabalho no meio, pode buscar mais atletas para ajudar, se assim for necessário, e tem ainda nove jogos para fazer e buscar o primeiro objetivo que é a classificação. Quanto mais tempo tem num trabalho, melhor é para o treinador, sempre será. E aqui a gente terá esses jogos que restam para botar esse trabalho em prática e buscar o primeiro objetivo, a classificação, para depois pensar no próximo quadrangular", salientou.

Fórmula boa

O treinador vê vantagens na nova fórmula da Série C, que em vez de mata-mata passou a ter, nessa temporada, quadrangulares para definir o acesso. "Eu vejo que ficou melhor esse formato, porque às vezes era muito injusto, uma equipe tinha excelente campanha, ia disputar com o quarto com 15 pontos a menos, fez um jogo mal e justamente aquele jogo mal perde, e perde a classificação. Somou 15 pontos a mais e não adiantou. Agora ficou mais justo, vai brigar por quatro vagas, em novo quadrangular, e aí sim é uma coisa mais justa, que dá a possibilidade de às vezes fazer um jogo não tão bom daí tem o outro jogo para recuperar. No mata-mata, passei isso no Cuiabá. Fomos jogar com o Atlético do Acre, se fizesse um mal jogo em casa poderia não ter subido", analisou.

Itamar ainda não tratou de reforços. Disse que vai analisar o elenco, conversar com os remanescentes do clube para, depois, tratar da situação do elenco com a direção. O técnico chegou acompanhado do seu auxiliar Lucas Isoton, do preparador físico Carlos Gamarra e do analista de desempenho Francisco Salles.

Ouça a entrevista no podcast:

Assista, no vídeo, a entrevista coletiva com o treinador. Abaixo, o Minuto a Minuto com os principais momentos da entrevista coletiva de apresentação de Itamar Schulle:

Acompanhe a apresentação ao vivo na Rádio Som Maior e no Minuto a Minuto do 4oito.

Acompanhe ao vivo:

15:40

Mais detalhes a qualquer momento no 4oito e a partir das 18h no programa Ponto Final, na Som Maior.

15:38

"Agora, começando a trabalhar, conversando com quem sobrou da comissão técnica, penso que o Serginho Lopes será o confidente no início, movimentando a rapaziada para sentir a necessidade de reforços. Até o Jaime estava entusiasmado aqui com esse anúncio, apesar de ter deixado bem claro que lhe partiu o coração dispensar um amigo como Roberto Cavalo. O Itamar vai avaliar o elenco para pedir reforços", completa Nassif.

15:38

"Ele também foi muito cauteloso", diz Nassif, sobre a análise do Criciúma até aqui.

15:37

"Ele veio para trabalhar. Trabalhou em vários clubes, tem a experiência, o Criciúma fez uma boa contratação, de um técnico que pode levar esse time a uma classificação e depois buscar o acesso. Muito calmo, muito tranquilo, eu fiquei com uma boa impressão. Já conhecia o Itamar da outra passagem por aqui, agora vamos começar a entender o técnico", diz Nassif.

15:36

Comentarista João Nassif fala agora na Som Maior.

15:36

Entrevista coletiva encerrada.

15:34

"Cada um tem a sua opinião, tem seu gosto, seu estilo. Eu vejo que ficou melhor esse formato, porque às vezes era muito injusto, uma equipe tinha excelente campanha, ia disputar com o quarto com 15 pontos a menos, fez um jogo mal e justamente aquele jogo mal perde, e perde a classificação. Somou 15 pontos a mais e não adiantou. Agora ficou mais justo, vai brigar por quatro vagas, em novo quadrangular, e aí sim é uma coisa mais justa, que dá a possibilidade de às vezes fazer um jogo não tão bom daí tem o outro jogo para recuperar. No mata-mata, passei isso no Cuiabá. Fomos jogar com o Atlético do Acre, se fizesse um mal jogo em casa poderia não ter subido".

15:33

João Nassif pergunta: "Série C, a mudança de regulamento facilita o acesso?".

15:32

"Tudo isso a gente vai ponderar, esse conjunto passa pela comissão, e depois passa pela direção. Eles que dão o aval para alguma coisa que você possa fazer, quando é para o bem do Criciúma vai ser feito da melhor forma possível, tanto da nossa parte quanto da direção".

15:32

"São situações que vamos ainda conversar. Eu não poderia ontem à tarde, quando o presidente me convidou, eu não podia pedir dez atletas ontem. Mesma coisa quando me ligou o Michel Alves do Guarani ontem. Não é essa a resposta que o treinador tem que dar. O treinador tem que dizer o que eu disse, maior honra, vou aí fazer meu melhor, estou disposto. Eu vim para cá com convites que acabei dizendo não a clube de Série B para vir para o Criciúma. E também pesou isso muito para mim, estar mais próximo da minha terra, fazia tempo que eu não estava aqui. Primeiro passo é vir dar o melhor, segundo passo é ver melhor o grupo, daí conversa sobre a necessidades. Eu procuro trabalhar assim. Não posso colocar uma situação antes de ver com meus olhos, ver com a comissão, se vai ser necessário, nós vamos ver daqui a pouco".

15:30

Vai analisar o elenco e ver os reforços. Orçamento é o limitador. Vai haver investimento?

15:30

"Carlos Alberto Bedin, o Gamarra, o auxiliar, estamos juntos desde 2004. Vai trabalhar comigo também o Sales, que também é um auxiliar e faz análise de desempenho individual, do dia a dia, é lá de João Pessoa, já estava comigo, e o Lucas Isoton que foi treinador do Juventude, campeão gaúcho de base, tem muito conhecimento no futebol, está comigo há cinco anos, sexto ano, essa é a comissão técnica que já estava comigo, que vem comigo há um bom tempo, estávamos juntos no Santa Cruz e agora conseguimos vir todos para cá para trabalhar aqui com os demais".

15:29

Itamar apresenta agora os profissionais que vieram com ele.

15:29

"Eu vi o Criciúma jogar duas vezes, vi o jogo contra o Ypiranga de Erechim e depois eu vi o jogo do Criciúma com o Brusque, agora. Vi jogar duas vezes. Uma terceira foi meio tempo que assisti, estava em casa, vi uma terceira partida contra o Londrina, lá. Isso foi os jogos que vi. O que eu vi, as conclusões eu tirei, alguns atletas eu conheço, alguns atletas já trabalharam comigo, ou foram meus adversários, mas essas conclusões são muito longe da realidade, vendo pela TV. Agora o que é o dia a dia, o que aconteceu, porque aconteceu, essas coisas que eu acabei de dizer, eu vou procurar com os profissionais que aqui estão buscar mais informações para juntar com o que meus olhos viram e aí você vai para o trabalho, treina, trabalha. A gente depende disso".

15:27

Mais uma pergunta para Itamar Schulle. Se ele já viu o Criciúma jogar alguma vez, e se já viu, qual a avaliação do elenco.

15:27

"Planejo conversar com quem já estava aqui e com as pessoas da comissão, não vou começar a fazer mudanças por fazer. Vou sentar com quem já estava aqui, conversar com essas pessoas, são profissionais capazes, para daí a gente começar a tomar algumas decisões que são necessárias. Mas, claro, que a gente também tem as nossas maneiras de trabalho, a nossa linha, que a gente vai procurar no dia a dia passar, implantar, e há uma diferença muito grande em disputar Série B, C, D, são campeonatos e atitudes diferentes, como é a A também. Essas coisas em conjunto, dentro do vestiário, vamos procurar passar para os atletas, mas o primeiro passo é nos reunir com quem aqui já está para a gente ter números, dados, informações, para somar, juntar e tomar atitudes".

15:25

Plano tático e mudanças para os próximos jogos, Itamar?

15:25

Itamar Schulle está falando. A Som Maior transmite.

15:25

"Quando você começa um trabalho, é como começar uma construção, você sabe como começa. Quanto mais alto o prédio, melhor a base e a fundação. Por isso o trabalho, você começa, faz a fundação à tua maneira, do teu início. Quando chega numa equipe, por exemplo, no ABC, não podia mais contratar, buscamos jogadores na base, não conseguimos, em cinco jogos livrar o ABC, mas conseguimos em cinco jogos dar para o ABC o que ele não teve em dois anos, parte financeira, na venda dos atletas, investimentos na base que estavam parados. No Vila Nova também, momento difícil, cinco jogos, por questão de uma vitória a gente não conseguiu o resultado. São situações diferentes. Hoje pegamos um trabalho no meio, pode buscar mais atletas para ajudar, se assim for necessário, e tem ainda nove jogos para fazer e buscar o primeiro objetivo que é a classificação. Quanto mais tempo tem num trabalho, melhor é para o treinador, sempre será. E aqui a gente terá esses jogos que restam para botar esse trabalho em prática e buscar o primeiro objetivo, a classificação, para depois pensar no próximo quadrangular".

15:22

A trajetória recente de Roberto Cavalo em destaque agora. Ele pega um time com temporada em andamento.

15:20

Itamar segue falando.

15:20

"Cada treinador tem um pensamento, uma forma de gerir elenco e trabalhar com grupo. Eu vejo que o bom ambiente é fundamental, independente do momento que se vive. Não pode ter um bom ambiente só quando é líder, tem que ter bom ambiente quando não é líder e está com salário atrasado também. Isso que nós treinadores temos também que fazer parte, fazer um bom ambiente, ajudar nesse processo. Quando me refiro a glórias, conquistas, o Criciúma, quando eu comecei a jogar, quando eu jogava, no Avaí, na Chapecoense, eu tive prazer de várias vezes jogar contra o Criciúma, eu sei quem eu enfrentei aqui dentro. Até hoje onde você vai fala do Criciúma e vai ouvir nomes consagrados, Jairo Lenzi, Grizzo, Wilsão, Roberto Cavalo, Sarandi, Itá, Soares, tantos que passaram aqui. Não tem como fugir disso. O Criciúma carrega isso. Agora, quanto a trabalho, eu vim aqui fazer o meu melhor, eu acabei de falar isso no almoço. Tudo tem que ser analisado, eu analiso o meu trabalho, não me escondo atrás do que eu conquistei há seis, sete anos".

15:18

"A tua chegada, nesse perfil, as conquistas do Criciúma sempre atraem bons profissionais, e esses bons profissionais não conseguiram até agora dar um retorno técnico. O teu conhecimento da chave de lá, enfrentou todo mundo, o que precisa ser feito aqui, efetivamente, para poder colocar de novo nos trilhos o Criciúma, esquecendo de glórias e heróis e partindo para a realidade atual?"

15:17

João Nassif, comentarista do Timaço, pergunta agora.

15:16

Itamar cita os times do Grupo A da Série C para apontar a dificuldade para buscar o acesso.

15:16

"A gente disputou a Série C pelo Cuiabá e foi muito difícil. Fomos montar um time, para montar um grupo foi complicado, você convida um jogador para disputar em 2018 a Série C, fomos campeões do Mato Grosso em 2018 e 2019, convidar um atleta para jogar no Cuiabá, ninguém queria ir. Quem queria ir para o Mato Grosso? Foi difícil. Ninguém queria. Foi difícil montar um time competitivo, ganhava ou não ao natural. Era o Cuiabá surgindo. É o que eu digo do peso de uma camisa. Hoje o Cuiabá é líder da B, o atleta deixa de ir para a A para ir para o Cuiabá. Há dois anos não era assim. O Criciúma, não. O Criciúma é um clube que revela, formador, campeão de tantas glórias como acabei de dizer, é um clube onde você faz um convite, como foi feito a mim, a um atleta, a possibilidade de ele vir é grande. A conquista pelo Cuiabá nos deu um amadurecimento de ver a dificuldade que é. Fomos disputar a vaga de acesso com o Atlético do Acre. Só nós sabemos como foi difícil jogar e vencer o Atlético do Acre".

15:14

Itamar é questionado sobre acesso a B, que ele já tem.

15:13

"Mais de 40 treinadores foram convidados, e ninguém quis. Foi uma situação muito difícil, a gente veio e conseguiu superar. Agora o Criciúma é um novo Criciúma, um Criciúma totalmente mudado na sua estrutura, cresceu, uma camisa que sempre teve glória, peso, de tantos atletas que passaram aqui, como foi o meu antecessor, não só como treinador, mas como atleta. É um momento de nos unir e buscar o que necessitamos, as vitórias, a classificação entre os quatro e, no dia a dia, em conjunto com a direção de futebol, com o presidente, a gente olhar as necessidades, se assim for necessário, as necessidades de algum reforço, de fazermos esse trabalho em conjunto com o objetivo principal de buscar essa classificação e depois brigar pelo acesso à Série B, vejo que é o passo mais importante nesse campeonato".

15:12

Itamar segue falando.

15:11

"A competição é muito difícil, os grupos são difíceis. Não dá para dizer qual grupo é mais forte, são todas as equipes bem preparadas e se preparando cada vez melhor, contratando mais para buscar essas vagas. Vejo o elenco do Criciúma e os jogos que vi, um elenco com qualidade, todo mundo passa por situações difíceis, é mais uma de tantas que o Criciúma já passou, mas ela é, com um conjunto de fatores, todos temos como resolver. Eu não vi, pode ter acontecido, vocês podem dizer, eu faz dez anos que saí daqui, eu não vi um momento pior do que eu assumi há dez anos. Eu não me lembro do Criciúma ter passado por um momento pior, se passou vocês têm que me dizer. O Criciúma tinha perdido aqui por 4 a 1, se empata lá o Criciúma tinha caído. Tivemos que vencer lá com um gol do Glaydson de perna esquerda, que nunca tinha chutado de perna esquerda. Depois vencemos o Brasil aqui revelando jogadores da base e foi um trabalho muito difícil".

15:08

Itamar é questionado sobre o momento do Criciúma.

15:08

"Eu recebi um telefonema do presidente, depois conversamos com o Ocimar à noite, a gente definiu alguns detalhes e depois disso definido, foi tudo rápido, isso já foi tudo ontem mesmo, pela parte da tarde. Depois disso definido, estava em Cuiabá com a família, tive que me organizar para viajar, passamos a noite toda viajando para estar aqui e começar já o trabalho pelo Criciúma, já visando o jogo de domingo contra o Londrina".

15:07

De que forma tomou conhecimento do interesse do Criciúma e como analisa essa oportunidade?

15:07

Vão começar as perguntas dos repórteres.

15:07

"Uma alegria voltar a Criciúma depois de dez anos, vestir a camisa do Criciúma, uma camisa de tantas glórias, tanto peso e conquistas. Grato a Deus pela oportunidade e pronto para tentar fazermos um melhor trabalho pelo Criciúma", diz Itamar.

15:06

Itamar Schulle vai se apresentar agora.

15:06

"Quero apresentar o nosso novo comandante, Itamar Schulle, já esteve conosco, vem com o objetivo de nos classificar e buscar o acesso, que sempre foi o nosso objetivo".

15:05

"Quero agradecer a presença do nosso vice-presidente Alexandre Farias, o Valcir Mantovani e o Vilmar Casagrande".

15:05

"Foi uma decisão extremamente difícil, dolorida, são todos amigos e ídolos nossos, de quando só éramos torcedores. Quero agradecer o trabalho deles, pessoas de caráter e índole acima de toda a prova, o Evandro Guimarães, Roberto Cavalo, Wilsão e William Hauptmann. Só tenho elogios a dar", diz Dal Farra sobre as demissões.

15:04

Presidente Jaime Dal Farra já na sala de imprensa. Começa em instantes.

15:02

Na TV Tigre, a entrevista coletiva começa em instantes.

 

15:01

O que escreveu o comentarista João Nassif sobre a demissão do técnico Roberto Cavalo? Confira no 4oito.

 

15:01

Menos de cinco minutos para começar a apresentação, informa o comentarista João Nassif, do Timaço, que está na sala de imprensa do Criciúma.

14:58

Em instantes começa a apresentação de Itamar Schulle na Sala de Imprensa Clésio Búrigo, no estádio Heriberto Hülse.

14:57

Esta foi a trajetória de Itamar Schulle até aqui. Ele já treinou 25 clubes diferentes em 18 anos de carreira.

14:56

No Santa, Itamar colheu bons resultados. Foi vice-campeão pernambucano, acabou eliminado nas quartas da Copa do Nordeste e deixou o time na vice-liderança do Grupo A da Série C. Com ele no comando o Santa Cruz perdeu apenas quatro jogos dos 28 que disputou em 2020.

14:55

Ainda em 2019 trabalhou no Vila Nova. Neste ano, esteve no Santa Cruz desde o início da temporada até o último dia 7 de setembro.

14:55

Em 2018 foi campeão matogrossense pelo Cuiabá, e comandou a equipe no acesso à Série B do Brasileiro. Foi bicampeão do Mato Grosso em 2019. 

14:54

Ainda em 2015, foi para o Botafogo da Paraíba, no qual ficou até 2017, sendo campeão estadual neste ano. Ainda em 2017 trabalhou no ABC de Natal, participando da campanha de rebaixamento do time à Série C.

14:54

Começou 2014 no Caxias e em seguida transferiu-se para o Operário de Ponta Grossa. Seguiu no Operário em 2015, conquistando o título do Campeonato Paranaense.

14:53

Em 2012 passou por Novo Hamburgo, Santo André e Chapecoense. Voltou ao Novo Hamburgo em 2013, faturando o título da Copa Rio Grande do Sul.

14:53

Depois de deixar o Criciúma, Itamar trabalhou no Botafogo da Paraíba (2010), Pelotas (2010), São José de Porto Alegre (2011) e, ainda em 2011, ganhou um turno da Copa Santa Catarina pelo Brusque.

14:52

Daqui a pouco, próximo das 15h, tem a entrevista coletiva de apresentação do técnico Itamar Schulle. Confira com a Som Maior e o 4oito.

14:52

Veio 2010 e, com duas derrotas na arrancada do Catarinense, Itamar caiu. Ele perdeu por 3 a 0 para o Jonville fora e 3 a 1 para o Atlético de Ibirama, em casa. Aí, o técnico Édson Cascão Búrigo anunciou a demissão de Itamar Schulle. O auxiliar Wilson Vaterkemper assumiu o time.

14:51

Em seguida veio a Copa Santa Catarina, e nela o Criciúma terminou em terceiro lugar. Teve bons momentos, como nas vitórias sobre Metropolitano e Joinville por 4 a 2 - os dois foram os finalistas, o JEC campeão - e os 5 a 2 que fez na Ressacada diante do Avaí, na última rodada. Esse, da foto, era o Tigre de 2009 com Itamar no comando.

14:49

Uma vitória contra o Marcílio, 1 a 0 em Itajaí, e outra vitória em casa, sobre o Brasil, fez o Criciúma escapar. Mesmo com as derrotas para Caxias e Marília fizeram o clube renovar o contrato com Itamar até 2010.

14:47

Em 2009 veio a oportunidade de trabalhar no Criciúma. Ele assumiu o time no fim de junho. O Criciúma era lanterna do Grupo D da Série C, na iminência de ser rebaixado à recém criada Série D. Tinha quatro jogos pela frente para escapar, e conseguiu.

14:46

Foi para o Brasil de Pelotas em 2008.

14:45

Abriu 2007 no Juventus, logo em seguida migrando para o Joinville. No mesmo ano passou por Rio Branco de Paranaguá, do Paraná, e no futebol gaúcho, pelo São Luiz de Ijuí.

14:44

Em 2006, depois de iniciar a temporada no São Carlos, voltou para Santa Catarina, para uma segunda passagem pelo Juventus de Jaraguá.

14:44

Ainda em 2004, trabalhou no Metropolitano em Blumenau. Em 2005, teve uma passagem pelo Figueirense, e depois foi para o São Carlos, de São Paulo.

14:43

Em 2004 foi campeão da Série B do Catarinense comandando o Juventus de Jaraguá do Sul.

14:41

A carreira como atleta começou dez anos depois, em 2002, no Atlético Alto Vale, em Rio do Sul. Em 2003 trabalhou no São Bento, de São Bento do Sul, e no Nacional de Rolândia, no Paraná.

14:41

Ele foi jogador de futebol. Itamar fez parte do elenco do Brusque que foi campeão catarinense de 1992.

14:41

Itamar Schulle é catarinense. Ele nasceu em Ituporanga no dia 8 de abril de 1966. Está com 54 anos.

14:39

A estreia de Itamar Schulle no comando do Criciúma será no jogo de domingo, às 20h, contra o Londrina, pela primeira rodada do segundo turno da Série C.

14:37

Cavalo ficou um ano no Tigre. Nesse período, o Criciúma foi rebaixado no Campeonato Brasileiro, eliminado na primeira fase da Copa do Brasil e terminou o Catarinense deste ano em terceiro lugar.

 

14:36

A demissão de Roberto Cavalo foi anunciada na tarde desta quarta-feira. O treinador deixou o Criciúma em quinto lugar no Grupo B da Série C. Hoje, estaria fora da segunda fase e continuaria mais uma temporada na Terceira Divisão.

14:35

Não é a primeira vez que Itamar Schulle vai trabalhar no Criciúma. Ele treinou o Tigre entre 2009 e 2010.

14:34

Logo, a entrevista deverá começar às 15h. A Rádio Som Maior e o 4oito estarão transmitindo. Por aqui, você poderá também assistir a apresentação de Itamar Schulle.

14:34

A assessoria de imprensa do Criciúma anunciou, há pouco, que a apresentação deve atrasar cerca de 30 minutos.

14:33

E o acerto foi anunciado oficialmente pelo Criciúma no fim da manhã desta quinta-feira.

 

14:33

A contratação de Itamar Schulle pelo Criciúma foi informada ontem pelo 4oito.

 

14:31

Boa tarde! Eu sou o jornalista Denis Luciano e vamos acompanhar a apresentação do técnico Itamar Schulle no Criciúma.