Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

FIESC entra na Justiça para liberar caminhões

Pedido de liminar dá ênfase às cargas de produtos perecíveis, como carnes e leite, além de produtos essenciais como remédios
Por Redação Florianópolis, SC, 23/05/2018 - 17:38Atualizado em 23/05/2018 - 17:41
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) ingressou nesta quarta-feira (23) com pedido de liminar para impedir o bloqueio de caminhões que transportam produtos de indústrias associadas à entidade, com especial ênfase às cargas de produtos perecíveis, como carnes e leite, além de produtos essenciais como remédios. A FIESC tem recebido manifestações de empresas do setor relatando problemas com a mobilidade de cargas e pessoas em função do movimento dos caminhoneiros, que protestam contra a política de preços da Petrobras. Clique aqui e leia mais.

O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, salienta que a greve tem impacto sob duas dimensões: uma em relação à receita tributária, uma vez que as indústrias vão faturar menos em função da parada da produção e vendas. “Isso significa queda dos tributos arrecadados pelo Estado, que em parte são repassados aos municípios. Além disso, há o próprio impacto na indústria, sobretudo, na agroalimentar, que trabalha com produtos perecíveis e já sente os efeitos no campo, com a falta de alimentação para os animais, e a dificuldade de estocar produtos acabados”, declarou, observando que há empresas que suspenderam as atividades pois não têm mais espaço para estocar a produção.

Em ofício ao ministro dos Transportes, Valter Casimiro Silveira, encaminhado nesta terça-feira (22), a FIESC destacou que no momento atual a paralisação “será mais um duro golpe na competitividade da indústria nacional e motivo de maior encolhimento da arrecadação tributária” e alertou que haverá impacto no fluxo de produção, comprometendo a conservação de produtos perecíveis, o cumprimento de prazos contratuais internacionais, o atraso no abastecimento do mercado interno, entre outros prejuízos. No documento, a FIESC solicita o estabelecimento de negociações para superar o impasse e providências para evitar bloqueio nas rodovias.