Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Emerson Leão revela magoa com Telê Santana

Ex-goleiro ficou fora do Mundial de 1982, mas retornou em 86
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 25/11/2017 - 19:42Atualizado em 25/11/2017 - 20:19
(foto: divulgação)
(foto: divulgação)

Ele foi um dos goleiros mais famosos do Brasil, treinou diversas equipes e hoje é comentarista, Emerson Leão participou do Som Maior Esportes falando sobre a carreira, Campeonato Brasileiro e Copa do Mundo. Leão participou dos Mundiais de 1970, 74, 78 e 86. Ficou fora da edição de 1982, quando foi preterido por Telê Santana.

“Ficou uma decepção muito grande, por não saber até hoje, porque também nunca perguntei ao Telê, o porquê de ele não ter me chamado. Eu era titular e capitão da equipe. Ele é autoridade, ele é hierarquia e que resolva os problemas dele. Em 86 foi pior, me levou com 37 anos para assistir à Copa do banco de reservas”, contou Leão.

A temporada 2017 no futebol brasileiro está terminando, sendo que a Série A já tem um campeão, o Corinthians. De acordo com Leão, a equipe comandada por Fábio Carille soube aproveitar o início da competição, quando os concorrentes disputavam outros torneios, como a Libertadores.

“Ninguém encantou este ano. O Corinthians foi campeão por mérito, aproveitou o sono dos adversários no primeiro turno, foram para frente. No segundo turno caiu, mas os outros não se aproximaram”.

Leão comandou a Seleção Brasileira entre 2000 e 2001, o último clube que treinou foi o São Caetano, em 2012. Este ano foi consultor de futebol da Portuguesa, mas durou pouco tempo. Aos 68 anos, não se vê treinando novamente.

“Acho muito difícil que isso possa acontecer de novo na minha vida. Agradeço os convites que algumas pessoas ainda fazem. Nunca devo dizer jamais, mas é muito difícil. Quero fazer uma retaguarda para que os treinadores não sofram, essa classe é muito desunida”, explicou.

O nome de Leão esteve em pauta algumas vezes para assumir o Criciúma, mas em nenhuma das oportunidades houve o acerto. “Vontade é uma coisa e realidade é outra. Quando o Argel estava aí eu falava muito com ele. Futebol precisa de consultores honestos. Eu acho que a cidade não pode ficar ausente, depois de cair é muito difícil retornar”, disse Leão.