Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Eleições 2020

Em rede social, os Bolsonaro reforçam apoio a Júlia

Eduardo Bolsonaro posta imagem com ele e o presidente pedindo voto para a candidata do PL
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 16/10/2020 - 15:55Atualizado em 16/10/2020 - 15:57
Reprodução
Reprodução

Depois do vídeo tornado público na noite da última quarta-feira, 14, com o presidente Jair Bolsonaro desejando sorte, Júlia Zanatta (PL) ganha um aditivo nas redes sociais. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), amigo particular da candidata e que já esteve duas vezes em Criciúma manifestando apoio a ela - uma delas quando Júlia nem era candidata ainda, em novembro do ano passado -, fez uma postagem em suas redes na tarde desta sexta, 16, hipotecando apoio à amiga. 

A postagem carrega alguns detalhes. A imagem que ilustra carrega uma montagem com as fotos de Eduardo, Júlia e, entre eles, do presidente. E na legenda há outro aspecto que chama a atenção: "EM CRICIÚMA-SC APOIO A JÚLIA ZANATTA 28", escreveu Eduardo, assim, em caixa alta. O número que acompanha Júlia, porém, não é o seu de urna. Ela é 22, do Partido Liberal, enquanto o 28 corresponde ao PRTB, partido do vice-presidente Hamilton Mourão e que não tem candidatos em Criciúma neste pleito.

Confira também:

Adelor Lessa - Bolsonaro grava vídeo de apoio para Júlia Zanatta

No vídeo de Bolsonaro, na quarta-feira, o presidente diz que assistiu um programa eleitoral de Júlia Zanatta, que sentiu firmeza, confiança e desejou boa sorte. No programa citado, Júlia deixa claro o alinhamento com o presidente e conclama os criciumenses que deram a vitória a Bolsonaro na cidade a votar nela. 

Nomes nacionais

Até o momento, a campanha em Criciúma tem contado com pouca associação dos nomes locais a expressões nacionais da política. Além de Júlia Zanatta, apenas Chico Balthazar (PT) tem explorado imagens de lideranças de fora. Em programas dele na TV já foram ao ar mensagens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro da Educação e candidato derrotado por Bolsonaro em 2018, Fernando Haddad (PT).

Os demais candidatos a prefeito - Clésio Salvaro (PSDB), Dr. Aníbal (MDB), Rodrigo Minotto (PDT), Coronel Manique Barreto (Podemos) e Professor Éderson (PSTU) - não fizeram uso, até o momento, de expressões estaduais ou nacionais da política em suas campanhas.