Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Em pronunciamento, Bolsonaro volta a defender isolamento vertical

Presidente da República voltou a se pronunciar em rede de rádio e televisão
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 31/03/2020 - 20:59Atualizado em 31/03/2020 - 20:59

O presidente da República, Jair Bolsonaro voltou à rede nacional de rádio e televisão para falar da pandemia de coronavírus (Covid-19). Ele usou, principalmente, o nome do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus para falar da volta do trabalho e do isolamento vertical. “O diretor da OMS disse saber que muitas pessoas tem que trabalhar todos os dias para ganhar o pão e que o governo te que levar isso em conta. Estamos diante do nosso principal desafio. Me coloco no lugar da pessoas”, disse.
Bolsonaro citou ainda alguns profissionais. “O que será do camelô, do ambulante, da diarista, do ajudante de pedreiro, do caminhoneiro, com quem mantenho contato na minha vida pública? A maneira que cada indivíduo é afetado deve ser levada em conta”, salientou.

O presidente também ressaltou que pediu ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta não meça esforços no combate à pandemia. “Estamos adquirindo novos leitos, kits para testes e insumos. Pedi que tome todas as medidas para manter o emprego e a renda. Fizemos através de ajuda aos municípios, linhas de crédito às pequenas e empresas, adiamos as dívidas dos estados, entre outras iniciativas”, citou.

Bolsonaro lembrou ainda da suspensão do reajuste de preço de todos os medicamentos por 60 dias, como havia divulgado no decorrer desta terça-feira, 31. “A nossa missão é salvar vidas sem deixar de lado os empregos. Temos que combater o desemprego especialmente entre os mais pobres. Vamos cumprir esta missão na mesma hora que combatemos este vírus. O coronavírus veio e um dia irá embora, infelizmente perderemos vidas neste processo”, falou.

Ainda no pronunciamento, o presidente destacou o trabalho das Forças Armadas que atuam em todo o Brasil no combate ao coronavírus. “Em 12 dias serãoo produzidos 12 milhões de comprimidos de cloroquina e álcool gel pelas Forças Armadas.  Agradeço a todos os profissionais de saúde e todos os trabalhadores de serviços essenciais que estão mantendo o país em andamento”, finalizou citando ainda o Parlamento, Judiciário, governadores e prefeitos.
 

Tags: coronavírus