Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Em Florianópolis, setor gastronômico busca atrair atenção do Governo novamente

Empresários organizam carreata para a tarde desta quinta-feira. Empresários sofrem com as restrições devido à pandemia
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 14/04/2021 - 15:32Atualizado em 14/04/2021 - 15:36
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os empresários do setor gastronômico farão mais uma tentativa de chamar atenção do governo na tarde desta quinta-feira, 15. Eles vão à Florianópolis, onde, a partir das 14h, sairão em carreata passando por órgãos como Assembleia Legislativa e Centro Administrativo. “Queremos juntar mais de 300 empresários do estado na Capital. Constantemente falamos dos efeitos que a pandemia tem sobre a gastronomia e nós precisamos de qualquer maneira que o Governo olhe diferente para o setor”, comenta o presidente da Via Gastronômica de Criciúma, Joster Fávero.

Na última sexta-feira, 9, Fávero e outros empresários foram a Florianópolis para apresentar as reivindicações à governadora Daniela Reinehr em reunião previamente agendada. Porém, o grupo não foi recebido. “Não temos mais expectativa de ser recebidos pela governadora. Por outros representantes do governo a gente até foi recebido, mas a gente sabe que o poder de decisão é dela. Inclusive, pela linha ideológica e pelo discurso dela, nós esperávamos uma postura diferente. Ela acabou mostrando que a principal preocupação é garantir que ela permaneça. Então naquela sexta-feira, ficou muito claro, chegaram todos matizes ideológicos e partidários e foram atendidos por ela, mostrando que está interessada com a base eleitoral e não com a base produtiva”, diz. 

Outro lamento dos empresários é a dificuldade em ter acesso às linhas de crédito. “Elas até são liberadas, mas não chegam nos pequenos porque a burocracia é muito grande. Olha a contradição: você pode ter nenhuma negativa de dívida com imposto sabendo que faz 14 meses que praticamente não fatura. Eles utilizam como base os últimos 12 meses, sendo que não chega a 40% do que faturava. É realmente pára não conseguir”, finaliza.