Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Drummond acredita que o Catarinense será um espelho para o Brasileiro

Diretor executivo do Criciúma falou sobre o período no Internacional e projeto no Criciúma
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 10/12/2017 - 15:24
(foto: Décio Batista)
(foto: Décio Batista)

Ele foi diretor do Internacional durante o período mais glorioso do clube, e na quinta-feira (7) foi apresentado pelo Criciúma. Newton Drummond, que era conhecido como Chumbinho, participou do Som Maior Esportes e falou sobre o porquê de ter aceitado a proposta do Tigre.

“O Criciúma tem todas as condições de voltar ao patamar que sempre esteve no futebol brasileiro, que é alto. Precisamos ajustar as coisas e fazer acontecer da melhor maneira possível. Estou com muita gana, e espero poder traduzir isso em conquistas”, ressaltou.

Drummond afirmou que que a forma de atuação proposta por Jaime Dal Farra foi fundamental em sua decisão. Segundo ele, o presidente pretende profissionalizar o futebol, se afastando um pouco de questões do tipo. Ele falou sobre sua passagem pelo Internacional, e espera conquistar os objetivos no Criciúma.

“A questão financeira tem um peso, mas para mim nunca foi determinante. Fiquei de 2002 até 2010 no Internacional, trabalhando e tendo autonomia para fazer as coisas. Quando isso não aconteceu mais, em 2011, eu pedi para sair do Internacional, com todo o histórico de pegar o Internacional com três mil sócios e sem nenhum título há muitos anos. Sai do Internacional com mais de 100 mil sócios, claro que não foi um trabalho meu, mas a evolução nesse período”, destacou o diretor.

Outro assunto com destaque foi o Campeonato Catarinense, programado para começar em 17 de janeiro. O formato da competição prevê turno e returno, onde a equipe que somar mais pontos é campeã, sem uma final.

“Me é interessante porque tem o mesmo formato do Campeonato Brasileiro, isso te dá uma visão melhor do desempenho do teu time, organizado e regular. É diferente de uma competição como a Copa do Brasil, numa fase faz um bom jogo, não precisa regularidade. É um espelho, menor, mas igual o Brasileiro”, concluiu Drummond.