Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Construção civil começa a dar sinais de recuperação

Mês de junho foi de recorde em vendas para o setor
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC , 15/07/2020 - 15:32Atualizado em 15/07/2020 - 15:37
Divulgação
Divulgação

O setor da construção civil começa a dar sinais de uma possível recuperação, após meses difíceis e com quedas significativas. Na região, entre março, abril e maio, os primeiros meses da pandemia, o setor vinha sofrendo com baixa produtividade e com a limitação de trabalhadores. Em junho, no entanto, um grande aumento acabou acarretando em recordes.

Entre março e maio houve uma queda, com as empresas trabalhando com apenas 50%. As pessoas então ficaram um pouco assustadas com a pandemia, mas perceberam que teriam que conviver com isso e, essa situação somada a queda de juros, fez com que junho fosse o mês recorde de vendas na região sul”, declarou o empresário Olvacir Fontana em entrevista ao programa 60 Minutos desta quarta-feira, 15, na Rádio Som Maior. 

De acordo com o proprietário da Construtora Fontana, o aumento em junho mostra que as pessoas estão querendo investir em um espaço melhor e maior. “Algo que possa atender as necessidades e também para novas experiências, porque hoje a convivência ficou mais familiar. Se precisa de mais espaço para viver melhor, como estão saindo menos”, pontuou.

A procura por imóveis aumentou também devido a uma nova situação de trabalho home office e de prestígio por alguns fatores, como iluminação e espaços confortáveis, por exemplo. “Notamos o crescimento de procuras por condomínios fechados, apartamentos maiores e residências. Tem crescido a quantidade de pessoas que procuram por espaços para ter mais ventilação, insolação e espaço para poder fazerem seus trabalhos em casa”, ressaltou.

Enquanto a procura por residências próprias aumentou, a por imóveis comerciais continua em queda. Isso se deve devido a atual situação do comércio, em que o ritmo ainda não é o mesmo do período anterior a pandemia e em que muitas pessoas estão se adequando às compras online.