Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

CI da Afasc com polêmicas antes mesmo dos primeiros depoimentos

Nesta segunda-feira, presidente Tita Beloli, suspendeu trabalhos da comissão por sete dias
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 01/06/2020 - 15:22Atualizado em 01/06/2020 - 15:31
Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

A Comissão de Investigação (CI) que apura possíveis irregularidades na Afasc teve mais um capítulo nesta segunda-feira, 1º, não por depoimentos, mas porque foi suspensa por sete dias. A decisão foi tomada pelo presidente da Casa, Tita Beloni (PSDB), após o vereador Arleu da Silveira (PSDB), entrar com requerimento na última sexta-feira, 29.

O Memorando de Beloli é baseado nos Artigos 27 e 216 do Regimento Interno do Legislativo. “Foi tudo feito orientado pelo Jurídico da Casa. Agora o requerimento vai para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação e, enquanto esta comissão não emitir parecer, a CI não retorna”, explica Beloli. 

Confira também:
Câmara de Vereadores suspende CPI da Afasc
Advogado detona CPI que investiga irregularidades na Afasc: “juristas de plantão”
Arleu dispara contra Zairo: “é mentiroso da maior categoria”
Zairo cita envolvimento de Arleu na Afasc para não nomeação como relator da CPI
“Uma decisão de um presidente ditador”, dispara Arleu sobre CPI

 “Se trata de fazer a coisa certa”

O requerimento apresentado por Arleu da Silveira se dá devido à decisão do presidente da CI da Afasc, Zairo Casagrande (PDT), em declarar o vereador Ademir Honorato (MDB), relator da comissão na semana passada. “O requerimento foi protocolado na sexta-feira seguindo o Regimento Interno da Câmara. Não é vereador A, B ou C que vai indicar o relator da CPI, é o Regimento Interno da Câmara. Se trata de fazer a coisa certa”, fala Arleu.

Arleu apresentou requerimento na última sexta-feira

O presidente da CI, Zairo Casagrande, relatou que vai se inteirar do pedido de suspensão para depois falar do assunto e que a comissão teria encontro na próxima quarta-feira, 3. A CI da Afasc é composta ainda pelos vereadores, Aldinei Potelecki, Camila Nascimento, Julio Kaminski, Miri Dagostim e pastor Jair Alexandre e tem prazo de 90 dias, prorrogáveis por igual período.

Casagrande alega envolvimento de Arleu na Afasc como motivo para ele não ser relator da comissão

Entenda o caso:

No dia da eleição dos cargos da CI da Afasc, Ademir Honorato e Arleu da Silveira empataram no número de votos, porém, na semana passada, Zalmir Casagrande disse que seguiu o Artigo 172 do Regimento Interno do Legislativo e citou que Silveira tinha cargo na instituição durante o período investigado, não podendo assim ter voto.

Além disso, Casagrande falou que o vereador tinha um parente que também tinha função na associação.
Arleu explicou que quando a Afasc se tornou Organização Social, o Governo pode indicar os seus representantes, sem remuneração. Estes nomes foram aprovados na Câmara de Vereadores e quando ele retornou ao Legislativo deixou a função na Afasc.
Ao contrário da decisão do presidente da CI, o parecer opinativo da assessoria jurídica da Casa, concluiu que Arleu da Silveira poderia ser o relator da CI, pois havendo empate na votação para escolha do relator, deve ser considerado eleito o mais idoso, por aplicação, mediante analogia, do art.41, § 1º e pelo costume da Câmara Municipal de Criciúma, no momento da eleição, que elege o mais idoso em caso de empate.
Após a sessão da quarta-feira, 27, quando Honorato apontado como relator, Silveira já assistia a sessão com o seu advogado para definir os procedimentos. Já na sexta passada entrou com o requerimento pedindo a suspensão da CI, acatado pelo presidente da Câmara nesta segunda-feira, 1º.