Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
Eleições 2020

Candidatos a prefeito de Criciúma comentam a pesquisa IPC

Pesquisa mostra Salvaro à frente nas intenções de voto. Há equilíbrio e empate técnico na disputa pelo segundo lugar
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC, 04/11/2020 - 10:35Atualizado em 04/11/2020 - 10:38
Arte: Beatriz Coan / 4oito
Arte: Beatriz Coan / 4oito

Os candidatos a prefeito de Criciúma comentaram os resultados da pesquisa de intenções de voto para a eleição de 15 de novembro, apresentados nesta terça-feira, 3, pela Rádio Som Maior e 4oito. O levantamento foi contratado junto ao Instituto de Pesquisa Catarinense (IPC), e mostra vantagem do atual prefeito, Clésio Salvaro (PSDB), candidato à reeleição. Dos sete candidatos, somente o Coronel Manique Barreto (Podemos) não comentou os resultados.

Confira também:

Em nova pesquisa IPC, Salvaro consolida liderança

Saúde no topo das preocupações do eleitor criciumense

Em Criciúma, 45% aprovam Bolsonaro e 19% avalizam Carlos Moisés

O que disseram

Chico Balthazar (PT) afirma que não briga com pesquisas e que acompanha ao menos três: uma própria, a do IPC e do Instituto Mapa. “Não tem como as três estarem corretas, pois os números são divergentes. A campanha seguirá com a mesma estratégia, em ritmo acentuado, vou continuar fazendo as críticas, denunciando as mazelas e apresentando as propostas viáveis e consequentes. Estou convencido de que a gestão atual já está com prazo de validade vencido”, aponta.

Já Dr. Anibal (MDB) diz acreditar que os números da pesquisa do IPC são estranhos e que não refletem a atual realidade. “O sentimento é de mudança e de questionamento dos fatos que estão acontecendo recentemente na prefeitura, com a perspectiva de um futuro vice vir a assumir”, diz. “Além disso, nossa receptividade, aprovação e a maneira com que as pessoas nos abordam e nos desejam boa sorte e nos incentivam a continuar faz com que a gente avalie essa pesquisa como, no mínimo, muito estranha”, declara.

A candidata do PL, Júlia Zanatta, afirma que não acredita e nem se baseia nas pesquisas, ressaltando que o sentimento das ruas, ao seu ver, é outro. “É o sentimento das ruas é de mudança aqui em Criciúma. Os criciumenses não querem mais serem governados pelos velhos políticos. Sigo firme na minha luta e na minha linha”, comentou. “O cidadão não se deixa manipular por pesquisas, se fosse assim e se acreditássemos em pesquisas, o Haddad era o presidente do Brasil hoje e o Trump nunca teria sido eleito presidente nos EUA”, completa.

O Professor Ederson (PSTU), que teve recentemente sua candidatura aprovada pelo TRE, diz respeitar os números da pesquisa, mas não os vê refletidos em Criciúma. “Não é o que temos vistos nos bairros, nas fábricas e por toda a cidade. Acreditamos que mesmo com a máquina na mão, o atual prefeito não está com essa bola toda. Criciúma está cansada do mais do mesmo”, ressalta.

Rodrigo Minotto (PDT) avalia com tranquilidade o resultado da pesquisa do IPC, mas afirma que irá acelerar ainda mais suas ações na reta final de campanha. “Desde o início tenho dito que a principal contribuição que podemos dar a Criciúma é proporcionar o debate sobre a cidade. Não tenho dúvidas que a nossa campanha é a única que está mostrando propostas sem atacar ninguém, com mapa de emprego, escola em tempo integral e especialidade para toda a cidade, mostrando o que, como e quando fazer”, observa.

Já Clésio Salvaro (PSDB) diz receber com muita alegria os números, e agradece aqueles que citaram positivamente o seu governo. “A pesquisa é uma fotografia do momento, e estamos a 12 dias das eleições. Vamos continuar trabalhando muito, conversando com as pessoas pessoalmente ou através das redes sociais ou dos programas de rádio e televisão, sempre levando uma mensagem verdadeira e não atacando os nossos adversários”, conclui.