Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Bancos decidem sobre cobrança sobre limite do cheque especial

Medida instituída pelo Banco Central após uma resolução do Conselho Monetário Nacional
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 07/01/2020 - 20:33Atualizado em 10/01/2020 - 10:43
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Desde segunda-feira, 6, os bancos brasileiros podem cobrar tarifas adicionais de até 0,25% de novos clientes sobre os limites de cheque especial com valores acima de R$ 500. A medida vale para pessoas físicas e MEI's e gerou polêmica durante o fim de semana, após a medida instituída pelo Banco Central. A iniciativa faz parte de uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN), que também limitou o juro da modalidade para até 8% ao mês. Contudo, são os bancos que decidem sobre a cobrança adicional de 0,25% ou não. 

"Quem tem hoje o limite de até R$ 500, ele não poderá cobrar uma tarifa. Todo o valor acima pagará tarifa de 0,25%. Um exemplo: o cliente tem o limite de 10 mil reais no cheque especial. Ele pagará todos os meses 0,25% sobre os R$ 9.500, o que é equivalente a R$ 23,75 ao mês. Caso ele use o cheque especial, esse valor será deduzido do valor que ele pagar",  explica a gerente regional de desenvolvimento do Sicredi Sul, Karine Colombo Crocetta.

Para os clientes antigos, começa a valer a partir de junho. Novas ficam valendo a partir de agora. "Nenhum banco vai poder ter o juro a mais de 8%. A taxa é opcional. Várias operações financeiras já se posicionaram que vão e outras que não vão cobrar", comenta.