Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Atacante Éder revela que não podia negar a Seleção Italiana

Jogador começou a carreira no Criciúma e atualmente joga na Internazionale
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 13/06/2018 - 15:02Atualizado em 13/06/2018 - 16:09

Ele foi revelado pelo Criciúma e faz sucesso na Itália. O Programa do Avesso, da Rádio Som Maior, recebeu o atacante Éder, da Inter de Milão, que é natural de Lauro Müller. A ida para a Europa aconteceu em 2005, onde jogou em equipes como Empoli e Sampdoria, até chegar na Internazionale, em 2016. Também é jogador da Seleção Italiana.

"Eu não podia dizer não pelo tempo que estava lá, pela adaptação. E também por ser a Itália, uma seleção tetracampeã. E eu fiz um gol logo na estreia, entrei e estávamos perdendo por 2 x 1, então empatamos o jogo", lembrou o atacante. Segundo ele, jogadores como Buffon e De Rossi foram bem receptivos na Azzurra.

A paixão pelo esporte vem desde cedo. Apoiado principalmente por seu pai, se destacou em uma competição, iniciando na sequência a carreira na base. "Eu sempre gostei, e meu pai sempre me dava bola. Até os 12 anos eu só jogava salão, até que eu fiz um Moleque Bom de Bola e chamou atenção do Figueirense, mas meu pai não me levou e me deixou no Criciúma".

Morando na Itália, Éder conheceu o Papa Francisco, que disse para ele ter cuidado, já que é um exemplo para as crianças. O atacante afirmou que lá o extracampo é diferente do que no Brasil, sendo que muitos jogadores fumam e outros bebem.

Confira o Programa do Avesso completo: 

Falou também sobre o game Fifa. Segundo o jogador, a produção é demorada, mas depois a empresa recompensa os atletas. “Eles colocam a gente dentro de uma máquina. Perde quase uma hora para fazer cada jogada. Esse ano eles nos deram um jogo, cada um com a sua capa e mais um joystick”, contou.

Mano Dal Ponte e Pity Búrigo recebendo Éder Citadin no Programa do Avesso (foto: Luana Mazzuchello)