Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Allan dos Santos: "a esquerda tenta vender um elefante, que parece um pegasus e anda como ornitorrinco"

Jornalista fundador do terça-livre esteve em Criciúma no 1º Congresso Conservador
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 28/11/2019 - 21:24Atualizado em 29/11/2019 - 07:59

Allan dos Santos, jornalista fundador do Terça Livre, esteve em Criciúma nesta quinta-feira, 28, para falar sobre o conservadorismo e o jornalismo no Brasil. Allan foi um dos palestrantes do 1º Congresso Conservador - Liberdade e Democracia.

O blogueiro é um dos acusados de liderar disparo de fake news nas eleições, sendo inclusive ouvido no Congresso na CPI das Fake News. Em sua fala em Criciúma, entre piadas e aplausos, Allan abordou aspectos culturais na construção do jornalismo brasileiro, atacando a ideologia de esquerda.

“A esquerda não tem cultura porque ela não tem o espírito cultivado. A sua expressão sempre vai ser manca; ela tenta vender um elefante que parece um pegasus, que anda como um tigre, mas na verdade é um ornitorrinco. Eles não podem valer-se do peso cultural”, disse o blogueiro.

Na avaliação de Allan, o jornalismo no Brasil acaba sendo refém da Rede Globo. "Ninguém hoje pode competir com a Rede Globo, mesmo tendo bilionários investindo na comunicação. Não tem como uma TV manter-se sem ter um produto que ela venda. O maior produto da TV é a publicidade”, afirmou. “Nós não temos ainda um jornalismo conservador no Brasil, estamos iniciando esses trabalhos, tentando entender forma de fazer dinheiro com isso. A medida em que eles começarem a se solidificar, atuaremos em uma rádio local, jornal impresso, site. Se em 2019 a gente deu trabalho, em 2020 eles vão arrancar o cabelo”, encerrou o jornalista. 

Também participou do debate o ex-assessor do Ministério da Educação no governo de Jair Bolsonaro, Silvio Grimaldo. Seguidor de Olavo de Carvalho, ele pediu afastamento do governo em março, acusando perseguição do braço militar do executivo aos chamados de "olavetes".

“Os conservadores querem reformar o Brasil de cima abaixo e os liberais querem manter tudo igual. Os revolucionários esquerdistas são os reacionários. O país virou um hospício politicamente falando. Como convencer a população a se expressar e perceber o país sob os mesmos arquétipos e símbolos? Os intelectuais deveriam criar os meios de expressão da comunidade política”, destacou Silvio. 

+ Jessé Lopes abre painéis e fala sobre ser um deputado conservador