Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

A Cecrisa trouxe até Hans Donner a Criciúma

Em 1995, a marca assumiu o lugar da Eliane e patrocinou uma sacudida ousada na camisa do Tigre
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 23/05/2019 - 00:40Atualizado em 23/05/2019 - 01:31
A versão branca da histórica camisa de 95, desenhada por Hans Donner / Foto: Blog do Majestoso / Divulgação
A versão branca da histórica camisa de 95, desenhada por Hans Donner / Foto: Blog do Majestoso / Divulgação

Em 30 de setembro de 1995 o Criciúma viveu um momento histórico, e nele estava a Cecrisa. Enquanto patrocinadora master do time, que havia sido campeão catarinense e disputava a Série A do Brasileiro, foi uma das grandes incentivadoras da sacada diferenciada do Tigre: vestir uma camisa desenhada pelo designer Hans Donner. Ele veio a Criciúma para o lançamento e com ele, a mulata Globeleza, Valéria Valenssa, que exibiu a camisa no estádio Heriberto Hülse para delírio da torcida tricolor.

A versão tricolor da camisa de 95 desenhada por Hans Donner

Esse foi um dos tantos fatos que a Cecrisa viveu com a cidade de Criciúma, onde nasceu nos planos do empresário Manoel Dilor de Freitas em 1966 e começou a produzir efetivamente seus revestimentos cerâmicos a partir de abril de 1971, conquistando a vanguarda do mercado nacional até o fim dos anos 80, quando entrou em crise. Agora, a Cecrisa vive um novo momento, já que ontem, com a sua Cerâmica Portinari, foi vendida ao grupo paulista Duratex por R$ 539 milhões.

A transação tira de vez a família Freitas do convívio da Cecrisa. Os fundadores reduziram-se a 23% de participação na empresa desde 2012, quando o grupo Vinci Partners, do banqueiro Gilberto Sayão, adquiriu 77% das ações da empresa. Agora, a Duratex compra 100% dos ativos e passivos da Cecrisa e Portinari, com dividas líquidas apontadas de R$ 442 milhões em relatório de 30 de abril último mas receita líquida de R$ 652 milhões em 2018.

Mais uma versão da camisa de 95, com a Cecrisa e o Tigre juntos

A Cecrisa e o Tigre

Números à parte, a ocasião é para lembrar a Cecrisa na camisa do Criciúma, em parceria que se estendeu pelas temporadas de 96, 97 e 98. Para recordar melhor a história de Hans Donner em Criciúma, e aquela camisa histórica com marcas criciumenses de peso nela estampadas, resgatamos um texto do empresário Willi Backes, que o mesmo publicou em 20 de julho de 2017, quando da morte do cronista esportivo Paulo Sant´Anna. O reconhecido torcedor do Grêmio foi uma das presenças ilustres daquela festa de lançamento da camisa de 95 do Tigre e ganhou até um uniforme especial, com Criciúma e o tricolor gaúcho juntos.

Paulo Sant´Anna ao lado de Hans Donner e com a camisa, meio Grêmio, meio Tigre, meio Renner, meio Cecrisa, em 1995
Foto: Willi Backes / Acervo particular

por Willi Backes

 

1995 foi um ano especial para Criciúma e para o Criciúma Esporte Clube. Foi um ano com muitas conquistas. No campeonato estadual, o Criciúma EC foi Campeão Catarinense – Taça Plínio Arlindo De Nês – vencendo na final a Chapecoense, em dois jogos, 1x0 na ida e 0x0 no Estádio Heriberto Hulse. 

 

No campeonato brasileiro da “Divisão Especial”, competição em que se iniciou a contagem de três pontos em caso de vitória, o Criciúma EC se classificou em 16º lugar, competição com 24 clubes, tendo o Botafogo como campeão, Santos vice e os rebaixados foram o Paysandu e o União São João. Subiram pra divisão principal os paranaense Atlético e Coritiba. 

 

Na presidência do Criciúma EC estava Milton Campos Carvalho, acompanhado com mais 12 ativos diretores. Ano em que o clube conquistou tudo no futebol estadual, e acresceu inúmeras ações patrimoniais e institucionais. Também, ano em que Dr. Eduardo Pinho Moreira era Prefeito de Criciúma, o município transferiu área ao clube, onde hoje está edificado o centro de treinamentos. Impossível dimensionar o tamanho do benefício construído por inúmeras diretorias na sequência. 

 

A cerâmica Cecrisa Portinari em 1995 foi o patrocinador máster do Criciúma EC nos uniformes e demais materiais esportivos produzidos pela Rhumell. Além do patrocínio oficial, a empresa da família Manoel Dilor de Freitas, com efetiva participação de toda Diretoria Executiva, apoiou iniciativas e promoções em prol do clube. 

 

Em uma destas ações, em 30 de setembro de 1995, tendo por local a Associação dos funcionários da Imbralit, na presença de mais de 700 entusiasmados torcedores, foi apresentado para o Brasil – no local estavam os principais veículos de comunicação com programação esportiva – o novo uniforme do clube, especialmente criado pelo mago da programação visual, Hans Donner. A maior de suas criações, a Globeleza, foi a “garota propaganda” da arte criada, circundada por belas garotas nativas. 

 

Dentre as inúmeras referencias e destaque promocional no lançamento, foi relevante o fato de que o jornalista comentarista Paulo Sant’Ana, do Grupo RBS, expoente nas mídias, ter vestido meio uniforme costurado do Grêmio e do Criciúma EC. Não há fato similar a este na vida bem vivida e polemica do “Pablo” nos seus 78 anos. 

 

Em pé sobre uma improvisada cadeira, Paulo “Pablo” Sant’Ana, empunhando microfone, jogou confetes e serpentinas elogiosas à trajetória vitoriosa do Criciúma EC e claro, do seu amor racional ao Grêmio.
 
No dia seguinte, o Criciúma EC comandado pelo Gonzaga Milioli e Beto Ferreira na preparação física, na entrega das faixas de Campeão Estadual de 1995, enfrentou o sempre expoente São Paulo FC, comandado pelo Tele Santana. 

 

Naquele dia também, na entrada em campo, os dois times trajaram camisetas comuns com a frase promocional “Paz nos Estádios”. Naqueles tempos, não muito diferente de hoje, eram comuns mortes nas brigas entre torcedores dentro e fora dos estádios. A campanha aqui iniciada teve repercussão e reprodução em todo o Brasil. 

 

Faço estas citações para homenagear as boas recordações da vinda e estada do Paulo Sant’Ana entre nós no sul catarinense, em data de enorme tristeza devida ao seu falecimento hoje em Porto Alegre, 20 de julho, no “Dia do Amigo”. 

 

Faleceu um fanático e polêmico torcedor, fica e vive o Mito. 

 

Criciúma, 20 de julho de 2017.