Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

156 anos da Cruz Vermelha no mundo

Data busca homenagear voluntários que fazem parte da instituição presente em 187 países
Por Luana Mazzuchello Criciúma - SC, 08/05/2019 - 12:30

Composta por voluntários, a Cruz Vermelha chega aos 156 anos de fundação em 187 países. Hoje, 8 de maio, a data celebra o Dia Internacional da Cruz Vermelha, buscando homenagear os inúmeros voluntários que prestam relevantes serviços à humanidade. 

No Brasil há 111 anos, conta com mais de 20 mil parceiros dentre médicos, enfermeiros, dentistas, assistentes sociais, psicólogos, outros profissionais e autônomos. O maior objetivo da instituição é a assistência à vida e aos direitos humanos.

Em Criciúma, a filial da Cruz Vermelha Brasileira foi fundada no dia 08 de dezembro de 1984, completando 34 anos de atividades, todas elas voltadas a valorização da vida. Segundo Almir Fernandes de Souza, presidente da Cruz Vermelha de Criciúma, as unidades seguem sete princípios fundamentais: humanidade, imparcialidade, independência, neutralidade, unidade, universalidade e voluntariado. 

“Em Criciúma a Cruz Vermelha fica dentro da Equipe Multi-Institucional. Só em 2018 os projetos e campanhas em Criciúma e região beneficiaram aproximadamente 70 mil pessoas. Nesta data a solidariedade e a saúde humanitária são as grandes homenageadas, é um dia marcante para a Cruz Vermelha. Hoje somos a maior organização humanitária do mundo”, revela o presidente.  

Quem tiver interesse em auxiliar nos trabalhos pode entrar em contato pelo telefone: 9 9954-1370 ou no e-mail cruzvermelhacriciuma@gmail.com. "Todos os anos realizamos aproximadamente 40 ações, neste sábado, por exemplo, estaremos no bairro Mina do Mato. Lá será feito o projeto Arrastão Solidário em alusão ao Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos. Vamos percorrer as casas buscando doação de medicamentos que não são mais utilizadas pelos moradores e que podem ser utilizados pelo nosso Projeto Farmácia Solidária”, completa Fernandes. 

Ouça a entrevista completa: