Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Qual a situação da pandemia?

Por Dr. Renato Matos 26/01/2022 - 08:23 Atualizado em 26/01/2022 - 08:26

Eric Topol, cardiologista norte-americano, é um dos 10 pesquisadores mais citados da área médica. Acompanha, como poucos, o desenrolar da pandemia, com postagens baseadas nas melhores evidências disponíveis. Uma excelente indicação para quem gosta de ciência e do Twitter.

Publicou há poucos dias um interessante artigo no seu site Ground Truths. 
“Qual é a nossa situação em relação à Ômicron? 
Os dados, a matemática, os padrões, e a saída”

Daí, saem as informações abaixo.

Enquanto as doses de reforço com as vacinas mRNA (Pfizer e Moderna) e de vetor viral (AstraZeneca) restauram a proteção contra infecções sintomáticas provocadas pela variante Delta num patamar acima de 90%, o mesmo não acontece contra a variante Ômicron.

Nesse caso, o reforço vacinal aumentou a proteção (contra infecções sintomáticas) para pouco mais de 50%. 

Deixaram de funcionar?

Claro que não.

Estão cumprindo o prometido – redução das hospitalizações e mortes.

Há 3 estudos avaliando esse tópico, com surpreendente consistência entre eles – 88%, 89% e 90% de eficácia do reforço contra complicações da Ômicron.
Valores muito acima do observado entre aqueles que ainda não fizeram o reforço, apesar da indicação: 44% a 68%.

A dose de reforço não só multiplica os anticorpos neutralizantes, já conhecidos dos leitores, mas expande as células de memória, estas, sim, mais importantes contra as formas graves da doença – e relacionadas à duração da resposta imune.
Na dúvida, Israel já começou a aplicar a segunda dose de reforço naqueles com mais de 60 anos. Aguardemos os resultados.

Enquanto alguns torcem para que a Ômicron seja a última parada da pandemia, “parece estar claro que estamos longe de conter o vírus neste momento”. 
Pior, “esta alta circulação viral poderá resultar em novas variantes, inclusive com maior evasão vacinal”. 

Precisamos de novas vacinas, capazes de reduzir ainda mais a transmissão.

E que, idealmente, resultem em uma vacina universal, capaz de proteger contra muitas – ou todas – as variantes do SARS-CoV-2.
“Talvez este dia não chegue tão cedo”, escreveu Eric Topol, citando um editorial do The Washington Post.

Copyright © 2021.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito