Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Dose adicional de vacina contra o SARS-CoV2 para imunocomprometidos

Por Dr. Renato Matos 16/08/2021 - 07:54Atualizado em 16/08/2021 - 08:02

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, em manifestação, no dia 13 de agosto, passou formalmente a recomendar uma dose adicional de vacina contra Covid-19 para pessoas que tenham seu sistema imunológico debilitado de forma moderada a severa .

Essa diretriz surgiu da análise de estudos que existe que essa população, sabidamente mais vulnerável a formas graves da doença, responde pior às doses habituais das vacinas.
Já há pesquisas mostrando que uma grande proporção de pacientes internados após estarem com as doses completas da vacina são imunocomprometidos e que essas pessoas têm maior probabilidade de transmitir o vírus para comunicantes domiciliares.

Importante saliente que as recomendações do CDC são exclusivas para aqueles que receberam mRNA vacinas, como a da Pfizer e da Moderna.
Não existe, até o momento, aconselhamento semelhante para aqueles vacinados com Janssen, AstraZeneca ou Coronavac.

Apesar da ausência de evidências mais definitivas para a mistura de vacinas, esse é um assunto que está na linha de frente das pesquisas e parece ser promissor.
Aqui no Brasil, inclusive, já estamos tendo essa experiência em grávidas que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca, mas trouxemos uma segunda dose da Pfizer.

Além disso, no sábado passado, 14 de agosto, o Ministério da Saúde autorizou os municípios a aplicarem a vacina da Pfizer como substituta para a segunda dose da AstraZeneca. Apesar de já haver um trabalho realizado no Reino Unido comparando a intercambialidade entre essas duas vacinas, o que realmente motivou esta nota técnica foi a escassez no produto da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford.
Salientamos que não há nenhuma recomendação por parte do CDC de doses de reforço para qualquer outra população, nem mesmo para os idosos.
As indicações são extremamente restritas a grupos especiais de imunodeprimidos, relacionados no documento da agência americana.

Em documento anexo, o CDC deixa bem claro que testes para avaliar uma resposta humoral (a) ou celular, fora do contexto de pesquisa, não são recomendados nesse momento nos EUA, nem mesmo entre os imunossuprimidos.
Citam como justificativas:    
- A utilidade de testes para avaliar uma resposta imune às vacinas contra o SARS-CoV-2 não está escolhido;
- A exata correlação entre os dados de conteúdo e proteção contra a Covid-19 atual incerta;
- Os kits comerciais para avaliação da imunidade celular e humoral podem não ser consistentes entre diferentes laboratórios.

Para animar nossa segunda-feira

Foi postada no Twitter, pelo cardiologista Christopher Cannon, professor da Harvard Medical School, uma proporção de pessoas hospitalizadas em San Diego, cidade de pouco mais de 3 milhões de habitantes, no sul da Califórnia, no período de 12 de julho a 10 de agosto , considerando seu estado vacinal.

 

4oito

Deixe seu comentário