Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Parabéns Criciúma, cidade que vivo há apenas 3 meses, acredita?

Vou aproveitar pra contar uma história que deixei guardada durante os 7 anos de Carvoeiro Doente.
Roberto Lima
Por Roberto Lima 06/01/2020 - 20:10Atualizado em 06/01/2020 - 20:11

A terra do carvão tá fazendo 140 anos! Parabéns Criciúma!

Vou aproveitar pra contar uma história que deixei guardada durante os 7 anos de Carvoeiro Doente.

Em todo esse tempo eu morei em Florianópolis, justamente na terra do inimigo. Mas calma, não sou manezinho não.

Tá, nasci em Florianópolis sim... mas foi acidente de percurso. Toda minha família é daqui (região de Criciúma) e com apenas 3 anos já estava de volta à cidade. Morei 11 anos em Criciúma. Em 2000 me mudei com a família para Curitiba e a distância da cidade do carvão fez a ficha cair. Qual ficha? A ficha de que a nossa cidade, aquela que a gente cresce, sempre vai ser a melhor cidade do mundo.

Saudade de coisas simples começaram a surgir. Saudade do colégio Michel que estudei desde moleque, do Mampituba, do calçadão do centro, da Avenida Centenário, do xis salada do Jorginho e principalmente dele, do Estádio Heriberto Hulse! Esse mata!

Não poder assistir um jogo do Criciúma te mata aos poucos! A angústia de perder um jogo importante é terrível e dolorosa!

Mas sabe o que é pior? O pior mesmo é saber que tu NÃO VALORIZOU quando estava tudo ali pertinho, do teu lado.

Esse é o grande ponto que eu gostaria de chegar. A gente não valoriza quando tá na mão. Muitos até desdenham. Me desculpa, desdenhar de Criciúma é desdenhar de si mesmo!

No centro disso tudo existe um clube de futebol que simplifica todo esse sentimento e que leva o próprio nome da cidade: o Criciúma Esporte Clube

Após morar um ano em Curitiba, mudei novamente com a família pra Floripa. Que alívio! Afinal, estava menos longe. Mesmo assim, estar menos longe não é estar, de fato!

O Carvoeiro Doente foi uma das formas que encontrei de estar em Criciúma, de ter contato com as pessoas de Criciúma, de matar a saudade!

Crescer em cidades maiores me ajudou a não ter vícios de cidade pequena e me ajudou a ter um respeito e carinho que muitas vezes só nos damos conta quando saímos da nossa casa!

Fiz uma pesquisa e quase 80% não sabiam dessa história. Acho que disfarcei bem!

Mas agora voltei, 14 anos depois, 100% presente e não preciso mais torrar todo meu dinheiro em gasolina! rsrs

Valorize a nossa cidade. É a nossa história, é a sua história. Honrar isso é sinal de respeito e maturidade.

Parabéns Criciúma! A melhor cidade do mundo e nela tem clube!

*quem me chamar de manezinho vai ser bloqueado rsrs

 

4oito

Deixe seu comentário