Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Waguinho Dias: técnico agregador e com mentalidade ofensiva

Técnico foi campeão da Série D com o Brusque e agora encara novo desafio: tirar o Tigre do Z-4 da Série B
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 27/08/2019 - 14:36Atualizado em 27/08/2019 - 14:36
Foto: Lucas Gabriel Cardoso/ Brusque FC/ Arquivo
Foto: Lucas Gabriel Cardoso/ Brusque FC/ Arquivo

Um campeão brasileiro. Esse é o cartaz do novo técnico do Criciúma, Waguinho Dias. A credencial surgiu nesta temporada, após uma final dramática entre Brusque e Manaus, pela Série D, quando venceu nos pênaltis a equipe amazonense em uma Arena da Amazônia praticamente lotada. Waguinho tornou o Brusque o quarto time catarinense a ter uma conquista nacional. No entanto, o desafio agora é outro. A missão é tirar o Tigre, campeão da Copa do Brasil, Série C e também Série B, da zona de rebaixamento da Série B.

O anúncio de Waguinho foi cheio de melindres. João Carlos Maringá, diretor executivo de futebol do Tigre, chegou a negar que tinha tratativas com o treinador, na semana passada. O nome vinha sendo ventilado pela imprensa desde a queda de Kleina.

Pensando nas características de jogo, a chegada de Waguinho não causa uma revolução dentro de campo. “Ele pegou um time que brigou pra não cair, o Brusque, fez uma reformulação, com jogadores que se destacaram no catarinense e outros que não foram bem aproveitados. Com proposta ofensiva, time teve 5 vitorias seguidas já no começo da Série D e só cresceu de rendimento”, aponta Rodrigo Santos, repórter da TV Brusque.

O perfil do treinador é traçado como um profissional muito simples, com uma proposta de jogo ofensiva. “Ele é um treinador de muita conversa, agregador. O Brusque joga com a marcação alta, não tem medo de colocar o time pra cima, pressionando desde o começo do jogo, especialmente em casa. Não tá no cardápio dele montar um time retrancado”, avaliou Rodrigo.

Treinador emergente

Waguinho teve um crescimento no cenário catarinense. Por uma vitória, no critério de desempate, não tirou a vaga do Tigre na semifinal do Catarinense deste ano, quando comandava o Marcílio Dias. A boa campanha em Itajaí o levou a Brusque, para comandar a equipe na Série D.

O encontro entre Waguinho e Brusque foi glorioso. Sólido no comando desde o princípio, passou em primeiro na fase de grupos, com cinco vitórias e uma derrota. Deixou para trás na tabela o Gaúcho de Passo Fundo, Foz do Iguaçu e Boavista, de Saquarema. No mata-mata, o Brusque chegou invicto até as quartas de final, eliminando o Hercílio Luz e em novo encontro com o Boavista.

Nas quartas de final, eliminou o Juazeirense e conquistou o acesso. Na semifinal passou pelo Ituano e bateu o Manaus nas penalidades, para sagrar-se campeão da Série D.

Waguinho vem de uma sequência positiva no futebol catarinense. Teve boas passagens pelo Inter de Lages e Atlético Tubarão, mas foi no Brusque alcançou a glória. Agora, tenta alçar um voo maior, em um dos cinco grandes do Estado.

+ Entrevista Waguinho Dias antes de ser anunciado