Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Vereador requer lista das 50 maiores empresas devedoras do ISS ao município

Segundo Ademir Honorato (MDB), dívida das empresas com o município chegou aos R$ 180 milhões; R$ 42 milhões já foram pagos
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 02/03/2020 - 16:48Atualizado em 02/03/2020 - 19:19
Foto: Arquivo / Divulgação
Foto: Arquivo / Divulgação

O vereador Ademir Honorato (MDB) encaminhou um requerimento para que a prefeitura passe para a Câmara a lista das 50 empresas maiores devedoras do Imposto Sobre Serviços (ISS) ao município. De acordo com o vereador, nos últimos três anos, foram pagos aos cofres públicos R$ 42 milhões, em uma dívida que chegou a atingir R$ 180 milhões.

"Era um dinheiro que se perdia a cada cinco anos, vinha vencendo", explica Ademir. Ele relembrou o termo firmado entre Criciúma e o Ministério Público, que serve como uma forma de pressão para que as empresas sonegadoras fiquem em dia com o poder público. "O município assinou com o Ministério Público (MP) que o poder público encaminhe ao MP aquelas empresas que não pagam no fim do ano", completou o vereador.

Em detalhes, Ademir aponta que, no primeiro ano de pagamento da dívida das empresas, foram arrecadados R$ 12 milhões, em 2017. Em 2018, foram R$ 15 milhões e no ano passado também R$ 15 milhões. "Muita coisa foi feita com esse dinheiro. Isso ajuda muito o município", diz Ademir.

Segundo o vereador, o Programa de Recuperação Fiscal (Refis) do município foi importante para a arrecadação dessa verba. "Essas empresas todas aproveitaram o refis, com os descontos, o que ajudou a prefeitura a arrecadar esse dinheiro".

Ademir também comentou à reportagem que as empresas chegaram a ter uma dívida chegou a R$ 180 milhões. Agora, a solicitação da Câmara é para saber quais ainda estão devendo e quais estão em processos judiciais com o município. "Queremos saber quais as empresas estão na lista e quais saíram, para a gente ter a nossa radiografia", conclui Ademir.