Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Um Bradesco a menos em Criciúma

Agência que foi dos antigos HSBC e Bamerindus, na Marcos Rovaris com Marechal Deodoro, fechou as portas
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 23/09/2020 - 14:23Atualizado em 23/09/2020 - 14:27
Fotos: Denis Luciano / 4oito
Fotos: Denis Luciano / 4oito

Para quem chega no antigo Bamerindus, o ex-HSBC, no Bradesco da Marcos Rovaris com a Marechal Deodoro, uma surpresa. Portas fechadas e prédio vazio. "O banco fechou?", perguntou o autônomo Pedro Catteri, que chegava com um boleto na mão para fazer uso do caixa eletrônico. O aviso fixado na porta dava a pronta resposta. Desde o dia 19 a agência não existe mais. Uma breve espiada por além dos vidros mostra o que restou dos móveis e de outros itens.

"A gente acompanhou. Estávamos preocupados. Dois ou três dias antes de fechar, não sabíamos para onde iriam os gerentes e os funcionários, mas eles foram transferidos para outras agências e não houve demissões", informou a presidente do Sindicato dos Bancários e Financiários de Criciúma e Região, Dirceia de Mello Locatelli.

A reportagem permaneceu cinco minutos no local, tempo suficiente para que três clientes aparecessem e saíssem com o mesmo espanto do seu Pedro, antes citado. O Bradesco tem uma agência a menos em Criciúma a partir desta semana. O enxugamento vem sendo previsto desde o ano passado pela direção geral do banco. “Estamos fazendo um trabalho de estruturação de fechamento de agências com inteligência, estatística e metodologia aplicada”, anunciou, ainda no ano passado, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Jr.

Marquise voltada para a Marechal Deodoro sem a placa do Bradesco

A meta era encerrar as operações em pelo menos 400 unidades ao longo de 2020. No segundo trimestre, foram fechadas 233 agências, elevando o total de encerradas a 414 em doze meses. O banco informa que o principal critério é o geográfico, o que pode ter sido determinante para o fechamento dessa agência em Criciúma, na medida em, na quadra ao lado, há outro Bradesco que absorveu os clientes da unidade encerrada.

Nos anúncios que vem fazendo sobre a política de enxugamento da rede, o Bradesco assegura que não haverá demissões, embora no segundo trimestre de 2020 tenha demitido, em todo o Brasil, 447 funcionários. No mesmo período, o Bradesco teve lucro de R$ 3,8 bilhões, 40,1% inferior ao mesmo período de 2019, o que a direção do banco relaciona à pandemia de Covid-19.

No total, o Bradesco conta, em todo o país, com 96.787 funcionários.