Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Responsáveis por fake news nas Eleições 2018 serão punidos

Desembargador do TRE-SC explica como a justiça pretende prevenir e combater notícias falsas
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 16/05/2018 - 09:44Atualizado em 16/05/2018 - 10:05
(foto: reprodução)
(foto: reprodução)

Continuando a Série Eleições 2018, o Programa Adelor Lessa trouxa na manhã de hoje uma entrevista com o desembargador e presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC), Ricardo Roesler. Ele explicou como a justiça combaterá as fake news (notícias falsas) em redes sociais.

“De fato, é uma grande novidade nestas novas eleições o uso intensivo de redes sociais. Principalmente neste momento vivido na política nacional. Com a proximidade do pleito, internet e o uso de propagandas positivas e negativas que visam influenciar a consciência coletiva. Por isso instituímos aqui no TRE um Comitê Consultivo da Internet para estudo de medidas necessárias para prevenção das notícias falsas, as chamadas fake news”, explicou.

O desembargador explicou que este tipo de conduta diz respeito aos crimes contra a honra e assim serão punidos os que assim se comportarem. Candidatos e propagadores de fake news receberão multas. “Não existe ainda uma lei contemplando este tipo de crime isso ainda está em tramitação no congresso, possivelmente até as eleições isto entrará em vigor. É importante frisar que nós reagiremos, mas não iremos influenciar ou pesquisar qualquer notícia. Então, aguardaremos representações, denúncias feitas por qualquer cidadão e qualquer candidato”, esclareceu.

Financiamento

Desde esta segunda-feira, os pré-candidatos a qualquer cargo nas Eleições 2018 podem arrecadar fundos para suas campanhas através de financiamento coletivo. “É uma novidade das eleições, quer dizer, mais uma novidade. Essas eleições serão as maiores da história. Pelos desafios e novidades. E essa é uma delas. Desde ontem os candidatos podem contar com doações para campanhas, as populares vaquinhas. Deve-se procurar empresas que lancem esse propósito com a capacidade de captar recursos de pessoas físicas”, explicou Roesler.