Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

PM realizou cerca de 200 mil fiscalizações na pandemia

Operação Covid-19 foi iniciada há cerca de 200 dias. Subcomandante geral da PM esteve em Criciúma nesta quinta
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 27/08/2020 - 17:22Atualizado em 27/08/2020 - 17:47
Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

Aliada no trabalho de fiscalização durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a Polícia Militar já efetuou 200 fiscalizações neste período em todo o território catarinense. A confirmação foi dada pelo subcomandante geral da Polícia Militar de Santa Catarina, Marcelo Pontes, que visitou a região de Criciúma nesta quinta-feira, 27. “A quantidade no período, mais as ações de fiscalização que viemos realizando, comprovam o nosso trabalho, a nossa participação neste contexto, em ajuda ao Estado e municípios na questão da saúde pública, das normas estabelecidas. Estamos nas ruas diuturnamente ajudando para que as pessoas sigam os protocolos que as autoridades de saúde estabelecem para evitar a propagação da Covid-19”, comentou, em entrevista ao 4oito.

A operação durante este período de pandemia foi batizada de Covid-19 e vai a estabelecimentos, praças, entre outros locais.

Infecções

Pontes veio à região nesta sexta-feira, 27, para acompanhar a troca de comando na Polícia Militar de Nova Veneza. Ele fala ainda que as contaminações de policiais são baixas. “Internamente estabelecemos protocolos para os policiais e também no atendimento das ocorrências., disponibilizamos Equipamento de Proteção Individual, repassamos informações. Ter policiais infectados aconteceu, mas em um número pequeno que não prejudicou as atividades da Polícia Militar. Os atendimento, prevenção, repressão, têm seguido normalmente.

A troca de comando em Nova Veneza

Efetivo

Pontes lembra que o efetivo da Polícia Militar de Santa Catarina não é o ideal e que a luta é para repor este déficit. “Temos um grupo de 500 policiais em formação que devem ficas prontos até o final do ano e previmos o ingresso no início do ano que vem. São reposições necessárias para aumentar o efetivo”, revela.

Além disso, o subcomandante geral, fala que a tecnologia é uma aliada no trabalho desempenhado. “Buscamos a tecnologia no sentido de otimizar o trabalho do policial militar e isso ao longo do tempo tem correspondido e amenizado um pouco a falta de efetivo”, conclui.

Ouça a entrevista no podcast:

Tags: coronavírus