Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Para os Correios, adesão à greve é de 20% em Santa Catarina

Estatal emite nota na qual trata o movimento como uma "paralisação parcial"
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 11/09/2019 - 14:47Atualizado em 11/09/2019 - 14:50
Foto: Amanda Farias / 4oito
Foto: Amanda Farias / 4oito

A direção dos Correios emitiu nota, na tarde desta quarta-feira, 11, sobre a greve de funcionários deflagrada ainda nesta terça-feira, 10. A empresa trata o movimento como "paralisação parcial" e garante que os serviços de atendimento não estão afetados. Há, conforme a nota, um Plano de Continuidade de Negócios em prática, que colabora para minimizar impactos. Remanejamento de empregados e veículos estão colaborando para o andamento dos trabalhos.

Um levantamento da manhã desta quarta aponta que 82% do efetivo dos Correios está trabalhando. Em Santa Catarina, segundo a estatal, o índice é de 79,23%. Ou seja, a adesão é de pouco mais de 20% à mobilização.

Os trabalhadores reclamam reposição da inflação na negociação salarial. “Hoje não é uma grave por questão de que vamos ganhar pouco de ajuste, eles se negam a dar a inflação, estão oferecendo apenas 0,8%. Era normal a gente ganhar pelo menos o valor da inflação, além de uma série de retirada de direitos que a gente tem. Isso significa uma redução de R$ 700 para cada trabalhador”, afirmou o diretor do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios e Telégrafos de Santa Catarina (Sintact), Samuel de Matos.

Confira também - Correios em greve nesta quarta-feira

Na mesma nota divulgada nesta quarta, os Correios informam que estão executando um plano de saneamento financeiro, visando garantir competitividade e sustentabilidade. Em reuniões nas últimas semanas a direção vem apresentando a real situação da estatal, referindo um prejuízo acumulado de R$ 3 bilhões. "As federações, no entanto, expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa", aponta a nota, em tom crítico à postura dos representantes dos trabalhadores.

"Vale ressaltar que, neste momento, um movimento dessa natureza agrava ainda mais a combalida situação econômica da estatal. Por essa razão, os Correios contam com a compreensão e responsabilidade de todos os seus empregados, que precisam se engajar na missão de recuperar a sustentabilidade da empresa e os índices de eficiência dos serviços prestados à população brasileira", conclui a nota.