Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

O projeto da ciclovia na Centenário volta à tona

Quase uma década depois, estudo de arquiteto da prefeitura é resgatado. Ciclistas buscam apoio de deputados
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 06/03/2020 - 16:52Atualizado em 06/03/2020 - 16:54
Arquiteto Giuliano Colossi apresentando o projeto em 2013, na avenida / Arquivo / 4oito
Arquiteto Giuliano Colossi apresentando o projeto em 2013, na avenida / Arquivo / 4oito

Está ganhando força o resgate do projeto de construção de uma ciclovia na Avenida Centenário. Por iniciativa do movimento "Criciúma combina com ciclovia", um passeio ciclístico será realizado no próximo dia 22 para chamar a atenção para a necessidade. "Precisamos de uma ciclovia na Centenário", provoca o empresário e entusiasta dos pedais, João Luiz Virtuoso, um dos organizadores da ação. São esperados cerca de 2 mil ciclistas pedalando desde o Parque das Nações, passando pelo Nações Shopping até a Unesc. Em janeiro, houve um movimento semelhante em direção ao Balneário RIncão que reuniu cerca de mil participantes.

Para provocar a execução da ciclovia, os ciclistas procuraram a prefeitura de Criciúma, onde buscaram um projeto elaborado em 2012 pelo arquiteto Giuliano Colossi. "Já tivemos duas reuniões com os ciclistas, a primeira para apresentar o projeto antigo, eles gostaram bastante. Na segunda reunião, a Unesc participou com seus técnicos, dispostos a colaborar", informa. Colossi pondera que o projeto precisa ser atualizado. "Tem que prever o passeio também, ao longo da avenida, no canteiro central, ver a influência do transporte coletivo e analisar as mudanças na avenida, no trânsito do Pinheirinho e também na conexão da Centenário com a Via Rápida, no Bairro Cristo Redentor", observa.

Extensão e gargalos

O projeto original previa uma ciclovia de 11 quilômetros. "Hoje há, também, uma vontade de levar o projeto para o decorrer da Jorge Elias de Luca, em direção ao Nações Shopping", destaca Colossi. O arquiteto lembra que há pontos delicados, como os cruzamentos da avenida por onde cruzam veículos. "Serão necessários sistemas semafóricos, tanto para os ciclistas quanto para automóveis e pedestres. E tem cruzamento entre ciclovia e a saída dos terminais de ônibus, um local terá que ser compartilhado", adianta. "O conceito do projeto é o pedestre, a bicicleta, o ônibus e o carro", aponta o arquiteto, mencionando a ordem das faixas do passeio em direção à pista de rolamento. Pela ideia inicial, a ciclovia teria 1,25 metro de largura em cada faixa, com as duas faixas, de ida e volta, totalizando 2,5 metro. "Seguiria o fluxo do trânsito, teria locais que se faria a divisão entre ônibus e bicicleta com mureta de concreto, e locais onde haveria canteiro de 50 centímetros", relata.

Projeto foi elaborado há quase oito anos na prefeitura

Mais de R$ 5 milhões

O assunto será novamente levado ao Legislativo, como já ocorreu algumas vezes nos últimos anos. "No dia 16 os grupos de pedal vão estar na Tribuna Livre na Câmara", adianta o vereador Zairo Casagrande, que já promoveu alguns debates sobre o tema. "O arquiteto Colossi (Giuliano, da Secretaria de Infraestrutura), prometeu atualizar o projeto, esse original era megalomaníaco, de mais de R$ 5 milhões", aponta. "Minha ideia é diferente, usar o espaço entre os coqueiros para o tráfego das bicicletas, pois bicicleta faz curva. Mas seria uma importante conexão entre os bairros de Criciúma", reforça.

Uma das partes do projeto do arquiteto Giuliano Colossi

Busca de apoio

Os ciclistas, empenhados que a pauta avance, estão buscando apoiadores. Nesta sexta-feira, as assessorias dos deputados federais Daniel Freitas e Geovania de Sá informaram que os parlamentares emprestam apoio à causa, podendo estudar o projeto e a possibilidade de encaminhar recursos. Com o deputado Ricardo Guidi, houve uma reunião para adiantar detalhes do investimento.

Enquanto isso, segue a organização para o passeio do dia 22. "É a nossa forma de chamar a atenção para a ciclovia. Já tivemos boas reuniões com a Unesc e o Paço. A Universidade e a Secretaria de Educação estão nos apoiando para que vá bastante gente ao passeio", completa Virtuoso.