Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

"O governador sempre tentou dizer que não sabia, quando sabia", diz Naatz sobre respiradores

Relatório será lido no dia 20 de agosto
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Florianópois, SC, 28/07/2020 - 17:51Atualizado em 28/07/2020 - 18:43
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Na última reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Respiradores, realizada  nesta terça-feira, 28, os parlamentares apresentam trechos do depoimento do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Adircélio de Moraes Ferreira Júnior à Força-Tarefa do Ministério Público que culminou na Operação Oxigênio. O documento estava em sigilo, sendo liberado para o Legislativo nessa segunda-feira, 27.

Tanto a CPI quanto a operação investigam o pagamento de R$ 33 milhões de forma antecipada à empresa Veigamed na aquisição de 200 respiradores. O pagamento foi feito de forma antecipada. "Ouvimos todas as pessoas envolvidas, conversas de Whatsapp, construímos um caderno que nos permite fazer o relatório. Neste depoimento vimos que o governador faltou com a verdade com a CPI. É indiscutível. O governador sempre tentou dizer que não sabia, quando sabia, e muito antes do que a gente acreditava. Diante deste depoimento eu me considero satisfeito. Não há mais necessidade de outras testemunhas", salientou o relator da CPI, deputado Ivan Naatz (PL).

Naatz apresentou trechos do depoimento de Adircélio de Moraes Ferreira Júnior em seis partes que mostram que o governador Carlos Moisés da Silva (PSL), estava ciente do pagamento antecipado.

Relatório no dia 20 de agosto

Ao todo, a CPI dos Respiradores ouviu 62 depoimentos. Todos os parlamentares aprovaram que a data de 20 de agosto para a leitura do relatório da comissão. Antes disso, no dia 18 de agosto, em uma reunião fechada, os deputados debaterão o relatório preliminar.
 

Os próximos passos da CPI dos Respiradores:
18 de agosto – reunião fechada para debater o relatório preliminar
20 de agosto – leitura do relatório conclusivo da CPI
 

O depoimento do presidente do TCE

No primeiro vídeo do depoimento, o presidente do TCE fala sobre o hospital de campanha. Nele, ele fala que foram feitos vários apontamentos e a Defesa Civil disse que as questões indicadas seriam tratadas durante os encaminhamentos, mas dias depois o edital de contratação foi lançado. “Fiz um relatório pedindo a suspensão desta contratação e depois disso, o governador suspendeu”, falou.

Naatz destacou ainda que o TCE começou a identificar problemas já na contratação do hospital de campanha que seria instalado em Itajaí. “Julguei importante ouvir sobre o hospital de campanha, apesar de não ser estudo desta CPI, mas faz parte do enredo de tudo isso”, salientou.
Adircélio de Moraes Ferreira Júnior falou também durante o depoimento à Força Tarefa que o então secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino entrou em contato para tirar algumas dúvidas. “Ele questionou o preço das máscaras que haviam subido demais e ele não tinha alternativa, senão comprar. Orientamos que tinha que ficar claro que o preço no mercado era aquele, que o fornecedor era o único capaz de entregar”, falou.

“Pior é ficar sem o equipamento e sem o dinheiro”

Ele ainda respondeu sobre os questionamentos, por parte de integrantes do Governo do Estado, sobre os pagamentos antecipados. “As pergunta sobre o pagamento antecipado eram de todos os equipamentos envolvidos e o que colocamos é que não era possível, mas como era uma situação excepcional, seria possível. Mas era preciso que se cercasse de uma série de garantiras. Solidez da empresa, entre outras coisas. Pior é ficar sem o equipamento e sem o dinheiro. Emitiríamos um parecer técnico e mostraríamos em que condições seria possível o pagamento. Esta foi uma conversa que tivemos no final de março. O governador me ligou com esta preocupação, falei a mesma coisa que falei para o secretario. Falei sobre o parecer técnico com as garantias que nós entendíamos que seriam necessárias para não expor o poder público em uma completa desvantagem”, salientou.

O relator, Ivan Naatz também opinou sobre o pagamento antecipado. “Iam perguntando sobre o pagamento antecipado e ao mesmo tempo iam fazendo este pagamento antecipado. A demora do governo em agir é que permitiu que este dinheiro fosse esvaziado. Foram abertas diversas contas que foram esvaziadas”, citou.

Para o deputado estadual, Kennedy Nunes (PSD), o depoimento do presidente do TCE é, nas palavras dele “a pá de cal nesta questão”. Está muito claro que o governador sempre soube do processo. O governador fala, e quando fala para a sociedade, fala com uma certeza, uma transparência. Esse depoimento é a pá de cal nesta questão, o governador sabia de tudo. Ponto”, relatou.

Outro integrante da comissão, deputado Valdir Cobalchini (MDB) lamentou eu os membros do governo não acataram as orientações de outros órgãos. “Olha a soberba em não aceitar as recomendações do TCE, de não ouvir o Ministério Público. Não sei se de forma mal intencionada, ou sem a devida cautela, isso sem dúvida alguma que a situação exigia. Este depoimento de hoje foi um bom encerramento desta fase de construção do relatório. Vai acrescentar bastante coisa”, enfatizou.

Tags: coronavírus