Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

O caminhão, o GPS e a Serra do Corvo Branco

Ocorrência com caminhão trancado entre Grão Pará e Urubici reacendeu discussão sobre investimentos no trecho
Denis Luciano
Por Denis Luciano Urubici, SC, 17/09/2019 - 11:49Atualizado em 17/09/2019 - 12:00
Divulgação
Divulgação

Não é novidade um GPS encaminhar algum caminhoneiro por caminhos que não são dos melhores. Houve pelo menos dois casos curiosos não faz muito em Criciúma, um do condutor que parou no entorno do estádio Heriberto Hülse após arrancar fios e tumultuar o trânsito, outro que trancou em uma esquina da Avenida Centenário no Bairro São Cristóvão.

Mas o caso desta semana foi até perigoso: o do caminhão que trancou em uma das curvas da SC-370 na Serra do Corvo Branco, entre Grão Pará e Urubici. "O caminhoneiro disse que o GPS mandou ele lá, ele estava descendo a serra para fazer uma entrega em Urussanga", lembra o coordenador Regional Sul de Infraestrutura, Gustavo Taufembach. "O GPS vai te dar o caminho mais curto, mas ele não conhece o trecho", pondera.

Confira também - A dificuldade para retirar um caminhão tombado na Serra do Corvo Branco

E não conhecer o trecho tem seus riscos em uma rodovia sinuosa e de chão batido. "Existem placas lá restringindo tamanho e peso do caminhão, e também horário para trafegar. Na madrugada não é permitido, e ele desrespeitou as indicações. Era um caminhão trucado com carga e tamanho superiores ao permitido", reforça Taufembach. O caminhoneiro que se envolveu nessa ocorrência é de Francisco Beltrão (PR), transportava uma carga de 14 toneladas e acionou a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) de Gravatal, que indicou um guincho para o atendimento.

A remoção se deu com apoio de populares. "Um agricultor da parte de cima da serra se deslocou com uma máquina e ajudou a puxar o caminhão", confirma o coordenador.

As obras

O Governo do Estado concluiu a primeira etapa das obras de pavimentação da SC-370 na Serra do Corvo Branco em 2012. São três lotes, o primeiro, este já feito, de 20 quilômetros a partir de Urubici. O segundo trecho tem 23,5 quilômetros e se estende de Grão Pará até o pé da serra, passando pela localidade de Aiurê. O terceiro lote, de 9 quilômetros, passa pela Serra do Corvo Branco alcançando o trecho asfaltado em Urubici.

"Ela está em obras e existe um projeto tramitando para toda a pavimentação. É um projeto que sofreu constantes alterações. Era uma questão orçamentária que estava impedindo o avanço do projeto. Estamos verificando os últimos detalhes com a empresa responsável. É uma das pautas prioritárias da Amurel a pavimentação dessa rodovia. Nos próximos meses teremos uma intervenção mais abrangente para manutenção e encostas", refere Taufembach.

O coordenador lembra que a pista é estreita e o local conta com frequentes deslizamentos. "Estamos analisando a possibilidade de pavimentar alguns trechos específicos, de forma superficial, não complexa, para amenizar transtornos como atolamentos de veículos. Há morros com aclives acentuados no caminho que dificultam a passagem de alguns veículos, queremos suavizar esses aclives para que a serra possa ser trafegável, com segurança. E queremos instalar guard rails também", antecipa.

O projeto global de pavimentação da SC-370 no trecho está orçado em R$ 60 milhões. "É um projeto complexo, não é do dia para a noite que se consegue esse recurso. Mas trabalhamos para que essa estrada possa ser uma boa alternativa à Serra do Rio do Rastro", conclui.