Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

"Nota dez", avalia Schulle sobre o desempenho do Tigre

Técnico Itamar Schulle assumiu o Criciúma na quinta-feira, 7, e estreou com vitória no Majestoso neste domingo
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma, SC, 12/10/2020 - 15:16Atualizado em 12/10/2020 - 15:27
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O técnico Itamar Schulle assumiu o Criciúma na última quinta-feira, 7, e estreou com vitória na disputa entre Tigre e Londrina neste domingo, 11, no estádio Heriberto Hülse. O Criciúma venceu o time paranaense por 2 a 1, e voltou para o G-4, saltando 15 pontos. Após a partida, o técnico fez uma avaliação do time. Na sua opinião, o Criciúma fez um bom desempenho. Conforme ele, o time foi digno de uma nota 10 e viu seu elenco vibrando. 

"O Criciúma fez um jogo equilibrado, com muita disposição, algumas coisas que nós trabalhamos, elas evoluíram, aconteceram, apesar de ter pouco tempo de treinamento. Há sempre um processo natural de evolução, mas sem dúvida conseguimos uma vitória diante de uma equipe difícil, com jogadores rápidos", comentou o técnico. 

Para Schulle, o Criciúma teve mais posse de bola no primeiro do que no segundo tempo, mas que esse era um dos objetivos do time. "Esse é o caminho numa Série C, vencer e nos 90 minutos nós conquistamos isso, ora trabalhando a bola, virando a bola, momentos que soubemos defender, baixarmos a nossa linha, momentos que marcamos na saída de bola deles, na pressão", enfatizou. 

Conforme ele, a vitória deu para ver uma coisa que não se via há um bom tempo no Criciúma, que foi o elenco vibrando. "Não sei se é efeito Itamar, mas sempre vamos ter que ter isso, isso faz parte do meu trabalho, da minha maneira de ser, isso eu procuro transferir, influenciar os atletas para isso. Temos que deixar marcas, e não manchas. As marcas tem que ser positivas, e uma das marcas que eu carrego é isso, temos que estar sempre com o dedo na tomada, e como eu disse hoje, na preleção, uma coisa que muita gente não sabe. A vaca não dá leite, você tem que ir, acordar cedo, ir lá onde está a vaquinha, no curral, tem que amarrar o rabo dela senão ela te enche de bosta, tem que lavar o ubre da vaca, tem que trabalhar pra caramba pra tomar o leite. A vaca não dá o leite, tem que alimentar a vaca para ter o leite, isso eu usei para os jogadores como exemplo de trabalho para adquirir as coisas", respaldou.

Nota de zero a dez

Para o técnico, o time teve um bom desempenho, digno de nota dez. "Eu vou ser cômico, tenho que dar para o meu grupo uma nota 10. Venceu, fez três pontos, conquistou uma vaga entre os quatro, onde é uma briga muito grande, vou dar 10. Precisa melhorar? Isso internamente a gente vai mostrar, vai conversar, vai trabalhar, a nota pra eles é 10, pela vitória, pelo que fizeram e os três pontos que conquistaram", comentou.

Foto: Celso da Luz / Criciúma E.C.

Confiança

De acordo com Schulle, a vitória traz confiança e esperança para o time e para a torcida."Sem dúvida. Você vencendo traz confiança maior para trabalhar. Isso no futebol é normal, você vence, traz essa confiança, aquele que estava inseguro volta a ver que tem capacidade, volta a ter aquele brilho no olho. Vencer sempre traz mais segurança e preparação melhor para evoluir", disse.

Desempenho em campo

O primeiro tempo os times saíram do campo no zero a zero, mas já nos primeiros minutos do segundo tempo Michel abriu o placar. De acordo com Schulle, a conversa no intervalo foi amistosa. "Nossa conversa foi de dar tranquilidade, tinha bastante intensidade, fizemos essa leitura para eles no intervalo, também daquilo que tinhamos errado, passamos no quadro isso para eles, para tentar organizar um pouco mais. E onde esses espaços estavam aparecendo, e passar a tranquilidade, não chegar ali no intervalo e passar uma carga, um peso, e eles entrarem pesados, foi uma conversa tranquila, de ajustes, de colocar a tranquilidade de que as coisas iriam acontecer. Foi o que a equipe fez, e produziu muito bem na segunda etapa e buscou a vitória", explicou. 

Conforme o técnico, somente o dia a dia e o trabalho em campo que dirá quais as melhorias necessárias para o time continuar com vitórias nas partidas. "Teve coisas que foram muito boas, outras que naturalmente precisam ser melhoradas. Mas o grande fator foi tirar esse peso de estar fora dos quatro, conseguimos uma vitória contra um time que estava na nossa frente, passamos, estamos novamente onde nós vamos querer ficar até o final, entre os quatro que classificam", afirmou. 

Jogadas mais preparadas e com objetivos certeiros é uma das apostas do técnico, que busca agora corrigir os erros. "Marcamos saída de bola, fizemos linha alta em vários momentos, com linha defensiva bem postada. Claro que tivemos alguns erros, é natural, tem que crescer, evoluir, melhorar. Tivemos momentos que baixamos essa linha para forçar o erro deles, e criamos jogadas pelos lados", contou. "Aconteceram erros, mas o importante é que tentamos, buscamos. Não podemos olhar o copo d´água meio vazio, mas meio cheio. Somamos três pontos importantíssimos", completou Schulle.

Schulle avalia de forma positiva todo o enredo do time."Foi positiva, tivemos chances de gol, criamos oportunidades, tivemos no primeiro tempo oportunidades de fazer os gols, em um cruzamento, e depois no segundo tempo também, tivemos condições de fazer, como eu disse, deixando o espaço e nós procurando as jogadas com velocidade. Tivemos a condição de fazer 3 a 0, há um processo de evolução mas foi positivo fazer dois gols num jogo desse. Claro que foi positivo, foi crucial para a gente estar de novo no G-4", contou. 

Criciúma vence o Londrina e salta para terceiro (VÍDEO)

Jogadores em campo 

No segundo tempo, Itamar trocou o Michel, que tinha feito dois gols, por Thiago Henrique. "Eu já tinha um jogador de referência que era o Michel, e eles tinham liberado o Escobar, estavam praticamente sem volante, e ficava um espaço entre o volante e a zaga. Esse espaço eu queria usar com velocidade, a gente conseguiu os gols com velocidade. Optei por colocar um jogador de velocidade para usar esse espaço que eles estavam nos dando. Próxima vez deve ser diferente, mas achamos melhor colocar o Thiago Henrique, já estava bastante desgastado o Jean, por essas variantes todas colocamos o Henrique", contou. 

Também no segundo tempo, Schulle tirou Jean Dias e colocou o volante Chistofer. "O Foguinho já tinha tomado o terceiro, então tirar ele, no próximo jogo está fora, ele consegue fazer essa leitura boa de jogar como meia, colocamos mais um volante, os dois estavam com amarelo e podia naturalmente colocar um outro meia, mas estávamos vencendo o jogo e como ele tem essa característica, jogou assim em Caxias muito tempo, adiantamos ele para reforçar a marcação no meio, a gente vinha vencendo, reforçamos, colocamos um primeiro volante, ele tem um bom passe e boa chegada, fizemos essa troca, ele já no calor do jogo, isso é importante, às vezes coloca um jogador no decorrer do jogo e a resposta pode não ser tão produtiva", comentou. 

Michel, uma das estrelas da partida

Michel foi o responsável por fazer os dois gols da disputa. Schulle avalia essencial a presença de um jogador preparado como Michel na área, para ajudar no desempenho do time em campo. "Foi decisivo. Jogadas pelo lado, tivemos 19 cruzamentos, 19 cruzamentos de lado, você tem que ter um jogador de referência, centroavante é assim, às vezes passa dois jogos sem marcar e depois marca dois. Depois ele cansou, normal pela entrega que ele fez, com a bola, sem a bola. Está de parabéns, não só ele, como todo o elenco pela vitória", contou. 

O Jean Dias também teve participação nos dois gols. "Ele é veloz, entrou pelo lado e a gente quando trouxe o Jean para o meio, o outro Jean, o Jean Lucas para o meio, são jogadores com características diferentes, de velocidade, ele foi também junto com os demais, foi bem, deu assistências, por isso que temos que ter sempre um grupo, ele nos ajudou bastante a conquistar essa vitória", acrescentou. 

Professor pediu, time cumpriu

Itamar Schulle chegou no Criciúma na quinta-feira e pelo desempenho em campo e a vitória já apresenta uma mudança positiva para o Tigre. Conforme Schulle, o time correspondeu com as instruções dadas por ele. "O grupo procurou fazer aquilo que pedimos. Por isso eu parabenizo eles, eles procuraram fazer. Não conseguiram fazer tudo? Claro, em três treinamentos não vamos conseguir fazer tudo, foi muita informação que passamos pra eles. No final eu achei por bem parar com algumas coisas, não pode colocar tanta informação em três dias, mas aquilo que foi trabalhado, eles procuraram fazer, tiveram o brilho no olho de fazer, a dedicação em procurar fazer, sem dúvida eu parabenizo a todo o elenco por isso", concordou.

Para ele, um dos fatores fundamentais foi a luta de todos os jogadores com o objetivo de sairem vitoriosos. "O fator fundamental para a gente conquistar essa vitória foi nós termos lutado muito desde o início do jogo, desde que começamos a partida tivemos uma entrega muito grande, os atletas buscaram com muita intensidade essa vitória, a ponto de ter jogadores desgastados ao final do jogo, como vimos, pela intensidade que eles tiveram, aquele brilho no olho de acreditar, como conversamos no intervalo, de ter calma e acreditar que as coisas iam acontecer. Essa intensidade, essa vontade de buscar a vitória, essa entrega foram fatores fundamentais, a alegria de realizar o trabalho, de jogar o futebol, deixar o peso no vestiário e ir para dentro do campo mais solto", contou. 

Próximos passos

A partir de agora, os próximos passos é atuar com os jogadores que Schulle ainda não teve muito contato contato. "Nós vamos começar o trabalho a partir de amanhã à tarde com quem não atuou, temos uma semana até antes da viagem de a gente ver o que, como vamos fazer, com calma, junto com a comissão técnica, vamos ver o que será melhor para o jogo contra o Boa", comentou. 

Schulle não comentou sobre reforços para o time. Para ele, no memento é questão de analisar o desempenho do time com os nomes que já apresenta. "Essa é uma situação que internamente a gente conversa. Eu não gosto nem de comentar, são coisas internas, a gente conversa isso internamente. Se por ventura há necessidade, internamente com a diretoria a gente conversa e como eu disse na minha apresentação, se ocorrer isso a própria direção comunica a imprensa. Eu vir aqui dizendo que preciso disso, daquilo, não trabalho dessa maneira. Eu gosto é de fazer internamente, com paciência, com equilíbrio e evitando especulações que até atrapalham a contratação", disse. 

Colaborou: Denis Luciano