Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

"Não acredite que o atalho vai ser o teu sucesso", afirma Esperidião Amin

Senador pelo PP foi o convidado do Nomes & Marcas da Rádio Som Maior
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma, 11/07/2020 - 14:31Atualizado em 11/07/2020 - 14:45
Foto: Arquivo / 4oito
Foto: Arquivo / 4oito

Ele foi prefeito de Florianópolis antes dos 30 anos, governador do Estado, deputado e hoje é um dos senadores de Santa Catarina. As muitas histórias de Esperidião Amin em uma conversa descontraída e com muita informação foi tratada no programa Nomes & Marcas deste sábado, 11, na Rádio Som Maior. 

Filho de uma italiana nascida na Suíça e um pai ortodoxo, Esperidião nasceu em Florianópolis tem no seu berço a tradição da imigração. Como também vivenciou em sua casa grandes diferenças de pensamento, sempre presou pelo debate. “Eu sempre aprendi sobre o que é o valor da coexistência. Eu preso muito pela opinião contrária. Eu gosto do debate, porque eu sempre aprendo com quem pensa como eu e aprendo mais com quem não pensa como eu”, contou.

Vida pessoal

Na infância, um menino tímido. Já na juventude, estudou no Colégio Catarinense, em Florianópolis. Aos 11 anos, em uma festa de 15 anos de uma menina em Tubarão, declarou que seria padre jesuíta. “Meu pai ficou bravo. Como que o único filho homem vai querer ser padre? Então tive uma formação religiosa muito sólida, com uma filosofia jesuíta que pregava o solidarismo cristão”, explicou. 

Foi com o Solidarismo Cristão que Esperidião começou a ter relações com a política. Seu pai era membro da União Democrática Nacional (UDN), partido o qual foi vereador. “Eu queria ser padre, mas fui seduzido pelos outros anos da vida”, lembrou.

O primeiro impulso era ser Engenheiro Mecânico, depois foi se encaminhando para o curso de Administração e Direito, o qual concluiu as duas graduações. Desde 1968 foi professor na Esag, da Udesc. "Sempre foi muito associado ao estudo. Gosto muito de livros no papel, gosto do cheiro". 

Quesitonado por Adelor Lessa sobre ser careca, ele contou que começou a perder cabelo em janeiro 61, quando peguei sarampo. “Eu peguei sarampo em Balneário Camboriú. Cheguei a perder as unhas, de tão grave que era a febre que eu tinha. E eu comecei a perder cabelo”, lembrou. 

Aos 24 anos era chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina, até certo momento assumiu a Secretaria por sete meses. “Dali fui para o Badesc e fui convidado para ser prefeito de uma cidade que estava em uma crise de identidade, que era Florianópolis”, conta.

Vida política 

Em 1975, Aos 27 anos ele era então prefeito convidado de Florianópolis. Na gestão, uma equipe jovem. “Fizemos uma equipe com a média de 30 anos. Eu era o mais jovem com 27 e o mais velho tinha 33”, enfatizou. Após isso ele também foi eleito prefeito pelo voto. "A mais difícil experiência foi me controlar percebendo que a Ângela foi melhor prefeita do que eu", contou rindo. 

Aquela época, o prefeito da capital não era eleito e sim convidado pelo govenador. Na Assembleia Legislativa, Esperidião contou inclusive com votos do MDB, partido contrário, para assumir o Executivo. No cargo, grandes mudanças ocorreram em Florianópolis. “Fizemos o Instituto de planejamento urbano, trouxemos o conceito de região metropolitana e acho que foi uma grande experiência para mim e positiva para cidade e para a política de Santa Catarina”, disse. 

Em 1978 foi candidato a deputado federal, sendo o campeão de votos no estado. Em 1982, com 34 anos, foi eleito governador de Santa Catarina. 

Atualmente ele é senador do estado, sua esposa, Ângela Amin, é deputada federal e o filho, João Amin, é deputado estadual. 

Balanço do que já realizou na vida

Após ter passado por diversos cargos na vida política, Esperidião faz um balanço da sua trajetória. "Eu acho que nós evoluímos em uma série de coisas", comenta. 

Na evolução para os próximos anos, Esperidião aponta a educação como peça chave. Eu acho que a educação só melhorarpa quando tiver mais indicadores de bons resultados, e os bons resultados vem dos alunos", enfatiza. "Temos que ter resultados e os resultados tem que ter estímulos", completa. 

Esperidião foi questionado qual  segredo do sucesso e ele disparou: "Não acredite que o atalho vai ser o teu sucesso. Esse jeito mais fácil pode te levar para a ilegalidade e pode te colocar em um caminho mais longo ainda. Disciplina, transparência, não ter segredos e a paz de espírito", enfatizou.