Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, completa 85 anos

Em junho deste ano, Maurício concedeu uma entrevista ao Programa Do Avesso, quando contou sobre inspiração, pandemia e o futuro de Mônica e seus amigos
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 27/10/2020 - 17:15
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O criador da Turma da Mônica, Maurício de Sousa, completa neste terça-feira, 27 de outubro, 85 anos de idade. Com disposição e criatividade, ele continua atuando e criando suas histórias, trazendo, colaborando para a cultura e educação do país por meio da Mônica e amigos. Isolado desde o início da pandemia, ele continua na ativa. No dia 10 de junho deste ano, ele concedeu uma entrevista ao Programa Do Avesso, comandando por Pity e Vitor Búrigo. 

Questionado na entrevista sobre o papel que ele desempenhou ao longo dos anos na cultura do país, ele afirmou que a singularidade é o que mais representa o seu trabalho."Penso que se a mensagem consegue chegar no público mais sensível, que é a criança, e depois chega na família, estamos falando com o mundo e estamos falando com o coração", afirmou. 

Maurício de Sousa e a Turma da Mônica no Avesso

Na entrevista, ele também contou sobre como foi a criação da Turma da Mônica, quando falou que a inspiração nasceu dentro de casa. “Eu não inventei nada. Eu olhei para o lado e vi minha filha, a Mônica, puxando um coelho pela casa, com uns dois anos e meio. O coelho maior que ela”, relembra. “Do lado estava a Magali, comendo uma melancia inteirinha. Então fui aprendendo primeiro com minhas filhas, para depois criar os personagens”, explicou. 

Maurício também falou sobre a trajetória e a evolução ao longo dos tempos da Turma da Mônica e para onde ela se caminha, com novos artistas que fazem parte do seu grupo de criação. “Mas logicamente a gente vai aprendendo com o tempo e criando necessidade para que a gente dê uns galopes tecnológicos. Eu gosto muito disso. Claro que temos muito o que aprender ainda, principalmente com os jovens que chegam no estúdio e vão levando sua emoção e conhecimento, mas principalmente gosto de trabalhar com ousadia. Adoro trabalhar com eles, mas também não deixo de lado os bons veteranos”, relevou.

Ele ainda deixou uma dica para os jovens que buscam na arte e nos gibis um meio de trabalho, ou em qualquer ramo que os jovens queiram seguir. “Quem quer que esteja buscando investir em um segmento de qualquer natureza, tem que gostar muito. Ter vontade e ter foco. E de alguma maneira, tem que pensar que aquilo que ele está fazendo vai fazer bem para a humanidade”, explicou. “No meu caso, a mensagem chega até as crianças com alegria, satisfação e com uma maneira de aconselhamento. Penso que se ela consegue chegar no público mais sensível, que é a criança, e depois chega na família, estamos falando com o mundo e estamos falando com o coração”, finalizou.