Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Luto: Antenor perde Roberto Angeloni, o seu primogênito

Rede Angeloni emitiu nota enaltecendo o gosto de Roberto pelo trabalho
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 28/06/2020 - 18:05Atualizado em 28/06/2020 - 18:20

Um duro golpe para Antenor Angeloni. Com 84 anos completados em maio, o próspero e discreto empresário vive a dor de se despedir de um filho 33 anos mais jovem. A morte de Roberto Angeloni neste domingo, 28, aos 51 anos, enlutou a família e amigos.

As últimas horas têm sido de perplexidade com o ocorrido e com as circunstâncias do acidente, uma grave colisão que rachou a Mercedes que Roberto conduzia na BR-101, altura de Biguaçu, na habitual viagem que o empresário fazia entre Criciúma, sua terra natal, e Curitiba, onde trabalhava. 

Roberto, que era solteiro, dedicava-se ao Grupo Angeloni, nascido antes dele, em 1958, da união de esforços do seu pai Antenor e do tio Arnaldo a partir de uma fiambreria na Rua Seis de Janeiro. 

A Rede Angeloni ainda vivia do seu embrião, o mercado do Centro de Criciúma quando nasceu Roberto, o primogênito de Antenor e Nolênia, em 1969. Depois vieram Henrique e Cristina. Logo, Roberto viu o grupo empresarial tornar-se efetivamente um império e viveu de muito perto a prosperidade do negócio.

Dos muitos depoimentos nas redes sociais neste domingo, destacavam-se comentários sobre o homem afável, discreto e apaixonado por velocidade. Quis o destino que, lamentavelmente, fosse em uma rodovia o seu óbito.

A família, mantendo a tradição de discrição, manifestou-se por uma nota nesta tarde. Confira:

É com imenso pesar que comunicamos o falecimento de Roberto Angeloni, filho de um dos fundadores do grupo ANGELONI, Antenor Angeloni, ocorrido hoje (28/06) em acidente na BR-101, na altura do município de Biguaçu (SC). Nascido em Criciúma (SC), tinha 51 anos e atualmente ocupava o cargo de gerente de Operações da Rede.

 

Roberto atuava no grupo Angeloni desde muito jovem e considerava que o trabalho é o mais importante desafio da vida e o grande valor do homem, requerendo extrema dedicação e estudo. Deixa os pais, Antenor e Nolênia, os irmãos Cristina e Henrique, sobrinhos, tios e primos.

 

Seu falecimento precoce deixa ainda imensa lacuna entre amigos e colegas, que guardam a imagem de um profissional sério e dedicado, que tinha como sonho levar o Angeloni a uma posição sempre mais destacada.

 

A família agradece antecipadamente a todas as manifestações de pesar e solidariedade. 
Rede Angeloni