Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Herói improvável? Muralha pega pênaltis, classifica Mirassol e desabafa

Goleiro teve que se "exilar" no Japão após ser massacrado pela mídia identificada e por torcedores do Flamengo
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Mirassol, SP, 13/05/2021 - 15:21Atualizado em 13/05/2021 - 15:22
Foto: Marcos Freitas / Mirassol
Foto: Marcos Freitas / Mirassol

Do Figueirense ao Flamengo, do Flamengo à Seleção Brasileira, e do Flamengo a um retiro forçado no Japão. A trajetória do goleiro Alex Muralha, que parecia ser de glórias quando anunciado pelo técnico Tite na Amarelinha no dia 16 de setembro de 2016, teve uma guinada para baixo após sucessivos tropeços do Flamengo em 2017, com as perdas da Copa do Brasil e da Sul-americana na final. 

Muito criticado quando o Rubro-negro perdeu para o Cruzeiro nos pênaltis na final da Copa do Brasil de 2017 - na ocasião Muralha pulou as cinco cobranças para o mesmo lado - ele agora vive grande fase no Mirassol, rival do Tigre na Série C. Na última quarta-feira, 12, ele pegou duas penalidades nas quartas de final do Paulistão contra o Guarani e foi o grande herói para o avanço do Mirassol à semifinal.

Ao fim do jogo, em meio à festa com os companheiros, Muralha desabafou em entrevista à televisão. "Às vezes somos julgados de forma injusta, fiquei marcado por isso e fico feliz de poder ajudar meus companheiros. Pés no chão, a gente merece coisas maiores, porque somos um time trabalhador. É muito difícil passar o que passei, tive que sair do Brasil para a mídia me esquecer um pouco, só eu sei o que passei. Agora é comemorar essa vaga na semifinal", disparou o goleiro.

Muralha saiu do Flamengo ao fim da temporada de 2017 para jogar no futebol japonês. O jogador foi perseguido por membros da imprensa nacional identificados com o Flamengo, o que inflamou ainda mais os torcedores contra o goleiro.

O retorno ao Brasil foi em 2019 para defender o Coritiba, mas parece ser no Mirassol que o arqueiro se reencontrou com as boas atuações e a glória no futebol brasileiro, possivelmente não mais como jogador de Seleção, mas com a projeção de uma boa Série C, comandado pelo técnico Eduardo Baptista. 

A preferência de Alex Muralha nas penalidades parece ser pelo lado direito. Na final da Copa do Brasil de 2017, pulou todas naquele canto e não pegou nenhum, o que acentuou as críticas ao goleiro. Na última quarta-feira, na disputa entre Mirassol e Guarani, Muralha alternou os lados: foi três vezes para a direita e pegou um pênalti; saltou duas para a equerda e pegou outro.