Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Em jogo arrastado, Tigre mantém invencibilidade na Série C

Criciúma e São José não saíram do zero no estádio Francisco Novelletto
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Porto Alegre, RS, 06/06/2021 - 19:55Atualizado em 06/06/2021 - 19:55
Foto: Celso da Luz / Criciúma EC
Foto: Celso da Luz / Criciúma EC

Em um jogo de pouco brilho e muita transpiração, Tigre e São José não saíram do zero no estádio Francisco Novelletto, na noite deste domingo, 6, partida válida pela segunda rodada da Série C. Com o resultado, o Criciúma manteve a invencibilidade em competições nacionais: três empates na Copa do Brasil e uma vitória e um empate na Série C. 

O resultado manteve o Tigre na zona de classificação do Grupo B, na quarta colocação. O técnico Paulo Baier cumpriu o prometido e poupou duas peças no time titular, após a viagem a Belo Horizonte para jogar a Copa do Brasil contra o América Mineiro. Fellipe Mateus e PH deixaram a equipe para as entradas do volante Eduardo e do atacante Pedrinho. Luiz Paulo, centroavante, retornou ao time no lugar de Uilliam Barros.

Assim, Baier formatou um tripé no meio-campo, com Dudu Vieira de primeiro homem e Eduardo tendo mais liberdade para somar-se aos homens de frente. Outra avaliação de Baier foi realidade na primeira etapa: um jogo truncado e com a bola bastante viva.

O técnico tinha preocupação com o gramado sintético do estádio Passo D'Areia. No primeiro tempo, o jogo teve poucas chances para ambos os lados.

A melhor descida foi do Tigre, em duas situações na sequência: Luiz Paulo, fez o giro dentro da grande área aos 36 minutos e finalizou forte, obrigando Fábio a espalmar para escanteio. 

Aos 38 minutos, Dudu Figueiredo usou a sua principal arma, o chute de fora da área, para criar a melhor chance ao Tigre; Fábio se espichou todo e espalmou para o lado. No rebote, Luiz Paulo se atrapalhou e não conseguiu concluir para o gol. 

Segundo tempo

As equipes voltaram as mesmas para a segunda etapa. O São José tentou exercer uma blitz inicial para conquistar a primeira vitória na competição, mas criou pouco. Aos 10 minutos, Dudu Figueiredo criou nova situação de gol, desta vez dentro da grande área. Ele recebeu passe de Pedrinho e tentou o chute duas vezes. Na segunda, Fábio caiu na bola e fez a defesa.

O meia deixou o jogo aos 17 minutos, junto com Dudu Vieira, para as entradas de João Carlos e Jessé. Baier deu mais amplitude ao time, com João Carlos caindo pelo lado direito de ataque e Pedrinho pela esquerda.

Aos 18 minutos, em jogada pelo lado esquerdo, a bola cruzou a grande área em cruzamento rasteiro e o centroavante Luiz Paulo chegou atrasado, não conseguindo completar para o gol. 

O São José não levou perigos ao gol de Gustavo; no entanto, o Tigre não conseguiu se impor na frente e o jogo arrastou-se no zero a zero até o final. Baier tentou mais duas mexidas, PH no lugar do Pedrinho e Moacir na vaga de Claudinho, mas não surtiu efeito.

Vida que segue

Com o empate, o Tigre permaneceu na quarta colocação do Grupo B da Série C, com quatro pontos conquistados; dois a menos que Novorizontino, Ypiranga e Botafogo, que estão com 100% de aproveitamento. O Zequinha assumiu a sexta colocação, com um ponto conquistado. 

O Tigre volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenta o América Mineiro, às 21h30 no Majestoso. Pela Série C, o próximo confronto é em casa contra o Ypiranga, no domingo às 11h. Já o Zequinha enfrenta o Ituano, em Porto Alegre, no sábado, às 15h.

Ficha Técnica

São José 0 x 0 Criciúma

Local: estádio Francisco Novelletto, em Porto Alegre

Cartões Amarelos: Lissandro e Bruno Jesus (São José); Dudu Figueiredo, Jessé, Gustavo e PH (Criciúma)

Arbitragem: Marco Aurélio Ferreira, auxiliado por Helen Silva Araujo e Augusto Magno de Ramos (trio de Minas Gerais)

São José: Fábio, Márcio Lima (Fabiano), Bruno Jesus, Pablo e Marcelo; Lissandro, Mardley e Crystopher (Leilson); Alessandro Vinicius (Luiz Eduardo), Bruno Mota e Cláudio Maradona (Everton Bala). Técnico: Hélio Vieira.

Criciúma: Gustavo; Claudinho (Moacir), Rodrigo, Marcel Scalese e Hélder; Dudu Vieira (Jessé), Arilson, Eduardo e Dudu Figueiredo (João Carlos); Pedrinho (PH) e Luiz Paulo. Técnico: Paulo Baier.