Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Dia de Ação do Governo será realizado nesta quarta-feira no Sul

Araranguá, Laguna e Tubarão recebem o evento organizado pela Secretaria Executiva de Assuntos Estratégicos com objetivo de aproximar os órgãos oficias à população catarinense
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 12/09/2017 - 18:24Atualizado em 19/09/2017 - 17:41
(foto: divulgação)
(foto: divulgação)

Nesta quarta-feira (13) será realizada, em 13 cidades, a 8ª edição do Dia de Ação do Governo. Durante o dia, secretários irão visitar as regiões especificas, informando sobre os programas do governo e ouvindo reinvindicações. Araranguá, Laguna e Tubarão serão contempladas.

O programa tem o objetivo de aproximar os órgãos oficias à população catarinense, sendo organizado pela Secretaria Executiva de Assuntos Estratégicos.

“Queremos levar nossa mensagem não somente às autoridades locais, mas a população. Os principais executivos, assim como os secretários do estado trabalham nisso. Falaremos sobre as obras da região, com uma palestra aberta ao público”, afirmou o presidente da Celesc, Cleverson Siewert.  

Iniciando em 2016, até agora foram realizadas sete rodadas, em 196 cidades. A cada edição, em média, participam 12 secretários de estado ou presidentes de empresas. 

“O programa está entrando em uma nova fase, ampliando o alcance para ouvir as demandas das diferentes regiões e mostrar o que o governo está fazendo”, afirmou o secretário da Infraestrutura, Luiz Fernando Vampiro.

Dia de Ação de Governo no Sul

Araranguá – secretário da Agricultura e Pesca, Moacir Sopelsa

Laguna – presidente da Celesc, Cleverson Siewert

Tubarão – secretário da Infraestrutura, Luiz Fernando Vampiro

Criciúma

Criciúma também receberia o Dia de Ação do Governo, mas foi adiado para a quinta-feira (21). Será ministrado pelo secretário da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Valmir Comin.

“Já participei de edições em Laguna e Joinville. Vamos falar sobre desde os jovens até os idosos. Será dado um panorama de toda a situação”, afirmou Comin.