Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Chance zero de aumento de impostos, garante Sachsida

Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia vai palestrar em Criciúma nesta sexta
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 06/09/2019 - 18:10
Divulgação
Divulgação

"Em nível federal não há a menor possibilidade de aumento de impostos". A garantia é do secretário de Política Econômica da Secretaria Especial da Fazenda do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida. "É diminuir gasto público, chega de aumento de impostos", garantiu. Sachsida está a caminho de Criciúma onde apresenta a palestra "Impactos Econômicos do novo FGTS" às 20h, no Auditório Ruy Hülse. O evento faz parte da programação de 20 anos do curso de Ciências Econômicas da Unesc.

"Infelizmente existem dois problemas claros no cenário externo, a questão da Argentina inspira cuidados, existe uma briga comercial entre China e Estados Unidos que também tem que nos deixar atentos. No mercado europeu alguns países não estão apresentando o crescimento esperado. De maneira geral o cenário externo não está favorável", apontou, quando questionado sobre as influências do mercado externo no momento econômico brasileiro.

Sachsida aposta em crescimento a partir de setembro. "A partir de setembro teremos sinais mais claros de crescimento. Agosto chegamos ao fim de um período turbulento, de oscilações, com alguns resultados ruins. A partir de setembro vamos ter uma situação mais consolidada", afirmou. 

Preocupação com empregos

A inflação está sob controle, garante o secretário. "A inflação está sob controle, o Banco Central tem feito um trabalho excelente. Agora a nossa preocupação é o emprego mesmo. A população está sofrendo", destacou. "Com a inflação controlada, a aprovação da nova Previdência, mas a próxima agenda é a agenda de empregos", completou Sachsida. 

O objetivo agora é assegurar o crescimento na oferta de empregos. "Estamos caminhando de maneira consistente na direção correta. De 2006 a 2016 um conjunto grande de políticas econômicas erradas foram adotadas pelo governo. Estamos corrigindo esse problema passo a passo, e vamos sair dessa situação", comentou. Uma das apostas para fomentar o crescimento é a liberação do FGTS. "O amplo conjunto de medidas adotadas desde janeiro. Em setembro começa o FGTS, serão R$ 40 bilhões entrando na economia até março do próximo ano. Serão 96 milhões de brasileiros beneficiados. Isso é 45% da nossa população", enfatizou.

Uma das preocupações é com o crescimento da produção brasileira. "Temos que olhar a baixa produtividade da economia brasileira e o cenário externo inspira cuidados", concluiu.