Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Cavalo não esconde pressão por resultado positivo contra o Tigre

Técnico busca a reabilitação do Oeste na Série C a partir do jogo deste sábado, às 19h, na Arena Barueri
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Barueri, SP, 18/06/2021 - 10:52Atualizado em 18/06/2021 - 10:54
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

No comando do Oeste, Roberto Cavalo quer a vitória contra o Tigre no sábado, 19, em partida válida pela quarta rodada da Série C. Jogando em casa, o técnico procura a reabilitação da equipe de Barueri na competição, após conquistar apenas um ponto em três partidas. 

Segundo Cavalo, a reformulação da equipe depois de perder a vaga no Paulistão nos pênaltis contra o São Bernardo, e a falta de experiência do elenco foram dificultadores neste início de Série C para o Oeste.

Dos 31 jogadores, 16 são oriundos da base e, no time titular contra o Mirassol, em derrota por 1 x 0 em Barueri, a média de idade foi de 24,6 anos. "O Kauã (meia-atacante) tem 17 anos, já está sendo pretendido por diversos clubes e não deve ficar até o fim do Campeonato. O Tite, atacante, tem 18. O zagueiro (Douglão) tem 20", disse Cavalo ao Som Maior Esportes.

"Aqui é uma empresa que trabalha muito com a base para fazer a venda dos jogadores e tem dado certo. Agora, quando enfrenta o Mirassol ou Criciúma precisando da vitória, os mais jovens sentem muito o clima do jogo", ponderou o técnico.

Na Série C, o Oeste estreou com derrota contra o Figueirense, 1 x 0, empatou com o Novorizontino, 0 x 0, e perdeu para o Mirassol, 1 x 0. Para Cavalo, o ponto fora da curva da campanha foi a derrota na última quarta-feira, jogando em casa.

"Jogamos abaixo contra o Figueirense. Nós que perdemos, erramos três bolas com o nosso goleiro. O Rodolfo, nosso melhor jogador (goleiro titular), foi desfalque no aquecimento. Contra o Novorizontino foi um jogo de igual, marcamos mais e não demos espaço. Conseguimos neutralizar as melhores jogadas deles", analisou o técnico.

"Não esperávamos a derrota contra o Mirassol. É um time muito entrosado, parecido com o Novorizontino. Eduardo Baptista está há tempos no comando, os jogadores não mudam. Marcamos até onde deu, quando tivemos oportunidades para fazer um gol, tomamos de contra-ataque", lamentou Cavalo.

Com o time na oitava colocação, o técnico não refuta a pressão por um resultado positivo contra o Tigre. "O pessoal de Barueri, a prefeitura, todos querem ajudar, mas se não tem resultados, fica difícil. Nosso planejamento é buscar a Série B do Brasileirão. Começamos mal, tem muita coisa pela frente, mas se ficar para trás, não chega mais. É obrigação vencer o Criciúma, porque se perdermos o jogo, o Criciúma vai para 10 e nós ficamos com um", projetou.