Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Você acredita no Judiciário para termos pena de morte?

Comentário do Coronel Cabral mostra que erros podem custar vidas inocentes
Gregório Silveira
Por Gregório Silveira Criciúma, SC, 20/10/2020 - 14:33Atualizado em 20/10/2020 - 15:03
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O comentário do Coronel Cabral dessa terça-feira, 20, na Rádio Som Maior, chamou a atenção para um assunto delicado, amplamente debatido, mas longe de ter um consenso: a pena de morte.

Cabral relata que certo dia foi perguntado novamente sobre qual era a posição dele quanto a pena de morte. Antes de responder ele expôs alguns erros do judiciário que poderiam acabar de forma mais rápida com a vida de uma pessoa.

Em um dos relatos o personagem real é o pernambucano Marcos Mariano da Silva preso em 1976 simplesmente por ter o mesmo nome do autor do crime de homicídio. Seis anos depois o verdadeiro culpado apareceu e marcos foi posto em liberdade. Três anos se passaram e Marcos foi parado em uma  blitz. Ele foi preso novamente por que em seu nome ainda constava o caso de homicídio. 

O juiz não analisou corretamente como deveria e Marcos voltou para a cadeia. Durante os treze anos que ficou detido ele pegou tuberculose e ficou cego. Não bastasse acabou sendo abandonado pela mulher e pelos filhos. A liberdade só veio durante um mutirão judiciário quando perceberam que Marcos estava preso sem se quer ter sido condenado.  Em 2011, aos 63 anos, tuberculoso e cego faleceu poucas horas depois de a justiça pernambucana ter concedido uma indenização  por danos morais e materiais. 

Coronel Cabral conta mais dois casos impactantes de erros do judiciário. E mostra que a questão não é a pena de morte e sim a segurança para saber se o crime realmente foi cometido pelo acusado.