Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Transpocred: ajudando motoristas e transportadoras do sul do Brasil

Com quase 15 anos de atuação, cooperativa já possui colaboradores em SC, PR e RS
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC , 07/07/2020 - 19:35Atualizado em 08/07/2020 - 16:40
Divulgação
Divulgação

Muito do que recebemos em casa ou consumimos em restaurantes e idas em supermercados teve de ser transportado, em algum momento, através das ruas e rodovias. Nascida em 2006, a Transpocred surge justamente como uma coopeartiva de crédito voltada para o segmento do transporte num geral, ajudando não só transportadoras como motoristas de todo o sul do Brasil.

No programa 60 minutos desta terça-feira, 7, o presdiente da Transpocred, Ari Rabaiolli, contou um pouco sobre a história da cooperativa. A entrevista marca mais um episódio da série especial da Som Maior, em comeoração ao Dia do Cooperativismo, ocorrido em 4 de julho.

Em seus dois primeiros anos de atuação, a Transpocred era vinculada a Unicred, cooperativa de médicos. Somente em 2008 a entidade mudou para a atual Ailos, quase uma "cooperativa das cooperativas". A cooperativa que nasceu em SC, então, se expandiu e conquistou o sul do Brasil.

"Em 2016 incorporamos a Transulcred do Rio Grande do Sul, que era o mesmo modelo de cooperativa do nosso, mais voltado a atender os empresários do transporte do RS. Em 2017 pedimos a autorização do Banco Central para atuarmos no sul do país, e hoje somos a única cooperativa de crédito do Brasil segmentada para empresáriso do transporte, colaboradores e afins", declarou Ari.

Atualmente a Transpocred conta com cerca de 25 mil cooperados, atuando em todos os três estados do sul. Sua atuação vai muito além do transporte de cargas, atendendo também motoristas de uma maneira geral. "O transportador autônomo pode se cooperar, o taxista, o motorista por aplicativo e todos aqueles que fornecem qualquer pdouto ou serviço ao setor de transporte", pontuou.

Durante a pandemia 

Também presdiente da Fetrancesc, Ari ressalta que o segmento de transporte foi basante impactado logo nos primeiros dias de pandemia. "Sofremos bastante porque, inicialmente, o comércio também estava fechado, e para quem transprota para o comércio acaba sofrendo junto com o comerciante", comentou. Apesar disso, o serviço para entrega de produtos essenciais e de insumos para a produção destes seguiu a todo vapor quando a pandemia foi declarada.

Dois dias após a primeira suspensão de atividades em SC, a Transpocred já começou a trabalhar para ajudar os empresários do setor que foram prejudicados por cotna da pandemia. "No dia 20 já tinhamos linhas de créditos sociais destinadas aos cooperados que tinha operações ativas na cooperativa. Criamos também linhas de pandemia com carência de quatro meses e prazo de até 84 meses para pagamento", destacou.