Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Situação da meningite está sob controle em Criciúma

Dos dois óbitos suspeitos da doença, um confirmou infecção bacteriana e outro teve diagnóstico descartado
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 10/10/2019 - 15:17Atualizado em 10/10/2019 - 15:23
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Vigilância Epidemiológica segue em rotina intensificada na orientação aos quadros de meningite em Criciúma. A avaliação é de que a situação da doença está controlada no município, mas segue o alerta para eventuais casos suspeitos. Dos dois óbitos de crianças em um curto período de tempo, um foi situado como meningococcemia, enquanto no outro a criança não apresentou inflamação na meninge e teve o exame do Lacem, de Florianópolis, negativo para bacteria de meningite.

Neste ano, foram quatro casos confirmados de doenças bacterianas de meningite, o que, segundo a enfermeira da Vigilância, Michele Hilário, está dentro da média anual, que é de 7 a 8 casos no município. "O que assustou é ter um caso confirmado e depois outra morte com suspeita logo na sequência, então ficou o susto até descartar a meningite nesse segundo caso. Neste ano está dentro da média tanto no município quanto no Estado", avalia Michele. 

Os casos suspeitos divulgados nas redes sociais, aliados a rumores falsos de internação com a doença, ajudaram a espalhar o pânico pelo município, atingindo inclusive as cidades vizinhas.

"É natural que a mãe se assuste e procure o atendimento quando a criança apresenta alguns sintomas. Nós temos suspeitas o ano inteiro e a preocupação é saber na hora qual é a bactéria, se é de meningite ou não, para fazer o bloqueio e iniciar o tratamento. Nem toda a meningite vai deixar sequela ou levar a óbito. Teve bebê que foi diagnosticado com meningite, recebeu o tratamento e foi pra casa, nem saiu na mídia", declarou a enfermeira.

Campanha de orientações

Mesmo com o quadro sob controle, o município segue atento às suspeitas e mantém agenda de campanhas preventivas e de orientações. Na quarta-feira, foi realizada uma palestra na Primeira Linha, a pedido da própria comunidade, com a presença de médicos da área e da vigilância epidemiológica, respondendo às dúvidas da população.

A cobertura de vacinação contra a meningo C, bacteria de maior incidência na região ao lado do subtipo W, atingiu 66% da população. "As vacinas seguem à disposição  nas unidades de saúde, a gente pede que os adolescentes também se vacinem porque também é uma situação de risco", aponta Michele.

"O subtipo B, nos últimos cinco anos, teve apenas um caso no município, um adulto que recebeu o tratamento e voltou para casa. Então, se o pai tiver que escolher entre uma vacina e outra nos pontos particulares, opte pela ACWY, porque protege de mais subtipos e tem índice maior de casos no município, de igual para igual com a C”, indica a enfermeira.

Pais fizeram fila no começo do mês para vacina contra a bacteria tipo B

Casos suspeitos

Três crianças estavam sob observação ao quadro de meningite bacteriana: uma de Içara, outra de Araranguá, ambas internadas em Criciúma, e uma de Criciúma, internada em Joinville. As crianças de Içara e Criciúma tiveram o exame negativo para a meningite.

A de Araranguá teve uma infecção bacteriana de meningite, mas em um caso mais leve. Por ser uma bacteria menos agressiva, que não deixa sequelas, não houve necessidade de bloqueio e, com o tratamento, a criança teve boa recuperação. Até a noite de quarta-feira, ela permanecia internada no hospital Santa Catarina, estável. 

Tags: Meningite