Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Sinal verde para ampliar o calçadão

Com licença ambiental, prefeitura agiliza novo investimento de R$ 2,5 milhões
Denis Luciano
Por Denis Luciano Balneário Rincão, SC, 16/02/2019 - 07:50Atualizado em 18/02/2019 - 10:50
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna

A primeira etapa do calçadão da beira mar do Balneário Rincão é uma realidade. Construído nos últimos meses, tem quase um quilômetro de área urbanizada na orla. O asfalto cercado por calçadas, ciclovias, aparelhos esportivos e de recreação, o equipamento caiu no gosto. É só elogios. Foi resultado de um investimento de R$ 2 milhões. Ele vai continuar.

O prefeito Jairo Custódio recebeu nesta sexta-feira a autorização do Instituto de Meio Ambiente (IMA) para executar a segunda etapa. Serão um quilômetros e 60 metros no sentido norte. “Vai ali da rua Rio de Janeiro, onde a etapa atual termina, até a plataforma norte”, confirma. 

O projeto é ambicioso, e custará mais R$ 2,5 milhões. “Agora com a licença ambiental, podemos encaminhar a licitação. Nossa meta é começar a obra entre abril e maio e terminar na próxima temporada”, afirma Custódio. A verba está garantida. “Recursos federais”, assegura. Se tudo der certo na previsão do prefeito, o Rincão ingressará na temporada de 2020 com perto de dois quilômetros de orla urbanizada. 

O novo trecho tem semelhanças com o primeiro, mas com alguns detalhes à parte. Ocorre que a segunda etapa do calçadão impactará no trânsito do balneário, resultará em novo acesso e acarretará mais investimentos. “Vamos urbanizar ruas e fomentar uma das nossas metas, que é fazer as pessoas usarem cada vez menos o carro e cada vez mais as bicicletas e as caminhadas para se deslocar”, conta o prefeito.

Entre as semelhanças com o que já existe, a segunda etapa oferecerá pista de caminhada, iluminação e ampliará das atuais duas para mais sete passarelas em madeira para acesso à praia. A ciclovia será um caso à parte. “Ela começa lá no extremo sul do calçadão, vai percorrer toda a orla até a plataforma norte, dali ela vai costear a SC-445 até a rótula da Leoberto Leal e ali entrar na cidade de novo. Formaremos um grande anel de livre circulação para os ciclistas”, adianta Custódio.

Rincão vai ganhar mais sete passarelas de acesso à praia

Mão única até a plataforma e um binário

Uma das novidades da segunda etapa é que o trânsito será diferente. De duas pistas no atual trecho, passa a uma pista a partir do arroio, na esquina com a rua Rio de Janeiro, até a plataforma norte. “E no sentido sul norte. Os carros ali vão sair do Rincão”, confirma Nestor Back, engenheiro civil da Secretaria de Infraestrutura do balneário. 

Com isso, o Rincão ganhará um binário. “Nós vamos conectar a última rua antes da beira mar com a SC-445. Quem estiver chegando na praia vai entrar por ali. É uma rua já urbanizada, bem pavimentada, apenas faremos essa ligação com a rodovia”, conta o prefeito Jairo Custódio. “Para isso, precisaremos cobrir um valo que existe ali. Vamos drenar, fechar esse valo, repaginar o local com ajardinamento e fazer essa rua. Ficará um acesso novo e bonito, formando o binário da beira mar”, completa o engenheiro Back.

Em paralelo a essa adaptação, diversas ruas do Rincão ganharão melhorias. “Várias vias farão a ligação com a beira mar. Vamos revitalizar a rua São Paulo, a Rio de Janeiro e a rua Paraná, abrindo o calçadão antigo. A rua Santa Catarina também, e ela já ganhou uma ponte nova”, detalha Custódio. “Queremos deixar tudo isso pronto em novembro”, emenda.

A foz do arroio da rua Rio de Janeiro passará por obras. “Aquele riacho nós vamos canalizar, com paredes e o fundo em concreto, e criar pistas de caminhada nas margens. É outro projeto, outro investimento”, antecipa o engenheiro da prefeitura. 

Uma calçada de madeira nas dunas

Entre as diferenças da segunda para a primeira etapa do calçadão está justamente na largura da pista. “Vamos recuar um pouco a avenida. Ela precisará ser mais estreita, pois o espaço entre as dunas e as edificações é menor, por isso a calha será para um carro apenas”, observa o engenheiro Nestor Back. Mas a via contará com bolsões de estacionamento. “Vários. E serão criados alguns refúgios”, garante.

Em boa parte do trecho, a pista de caminhada não será de paver, mas de madeira. “Ocorre que as dunas estão muito próximas e, para não agredi-las e para respeitar o meio ambiente, não mexeremos em vegetação e vamos fazer em madeira, até chegar na plataforma”, relata Back.

O projeto completo da etapa está em fase final de elaboração, para posterior encaminhamento à licitação.