Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Sem investimentos no IFSC Criciúma, caso haja o contingenciamento de 30%

Anúncio feito pelo governo federal tem preocupado instituições federais, que já se preparam para sofrer impactos
Amanda Farias
Por Amanda Farias 17/05/2019 - 18:09Atualizado em 17/05/2019 - 18:12

Em coletiva de imprensa que ocorreu na tarde de hoje, no Câmpus de Criciúma do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), foram divulgadas informações sobre o orçamento para este ano, tendo em vista que existe uma preocupação após o anúncio do Governo em bloquear o contingenciamento de 30% de recursos a instituições federais.  

 “Neste momento, estamos todos apreensivos e atenciosos em relação ao anuncio do governo federal do bloqueio de 30% dos orçamentos na média geral das instituições federais de ensino”, conta o diretor-geral do IFSC Câmpus Criciúma. 

Atualmente, o orçamento total previsto para 2019 para o Câmpus Criciúma é de R$ 2,5 milhões, que é direcionado às despesas com custeio das atividades, além de investimentos. O bloqueio está relacionado a esse recurso.

Impactos que podem ser causados no IFSC Criciúma

Caso realmente seja confirmado o contingenciamento, o IFSC de Criciúma terá redução de R$ 756 mil em seu orçamento somente este ano. Sendo assim, pode afetar diretamente as ações de funcionamento. Um exemplo disso será em relação aos investimentos, como na área de infraestrutura, compra de novos equipamentos, compra de livros para a biblioteca e computadores.  Os recursos para investimentos, por exemplo, estavam previstos em R$ 7,7 milhões, inicialmente, o que também corre risco de ser afetado.

Outro ponto que também poderá ser afetado é em relação à contratação de terceirizados, visto que será necessário revisar o quantitativo de servidores terceirizados que ajudam a manter a instituição em funcionamento. Em último caso, as atividades também poderão ser afetadas, principalmente nas ações voltadas às bolsas de pesquisa e extensão. 

Vale ressaltar que o gasto relacionado à folha de pagamento dos servidores é controlado pelo Ministério do Planejamento e, por esse motivo, não será modificado.