Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Satc tem projeto de litoteca para testemunhos geológicos

As amostras do solo criciumense estão depositadas na parte do Centro Cultural Jorge Zanatta que foi incendiada no último domingo
por Décio Batista Criciúma, SC, 14/09/2017 - 17:15Atualizado em 14/09/2017 - 17:25

Os testemunhos geológicos do solo de Criciúma, que estão armazenados de forma irregular no Centro Cultural Jorge Zanatta, serão transferidos para o Rio Grande do Sul. A informação é do chefe do escritório regional do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) em Criciúma, Oldair Lamarque. Segundo Lamarque, o arquivo geológico foi oferecido à Satc, e o mesmo não se interessou em assumir no momento o material.

Com isto, as caixas que contém o estudo do solo criciumense serão transferidas para Caçapava do Sul, cidade gaúcha que tem uma faculdade de Técnico em Mineração e um polo da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), empresa ligada ao Ministério das Minas e Energia.

Na tarde desta quinta-feira (14), dois técnicos do CPRM estiveram em Criciúma para avaliar as condições dos testemunhos geológicos. Será elaborado um relatório para preparar a transferência do material.

Sobre a recusa de receber o material, o diretor executivo da Satc, Fernando Zancan, foi enfático que contestar. Ele esteve, na última terça-feira (12), em Brasília reunido com Vicente Lobo, secretário de Geologia e Mineração do Ministério de Minas e Energia, e com o Eduardo Jorge Ledsham, diretor presidente do CPRM, onde ficou acertado a transferência temporária do testemunho geológicos de Criciúma para Caçapava do Sul/RS.

Segundo Zancan, “Temos um projeto pronto para a construção do Centro de Geoinformações de Petróleo e Gás, elaborado em parceria com a Satc e a Unisinos de Porto Alegre (RS). Agora vamos pleitear junto à Petrobrás os recursos para termos em Criciúma uma litoteca, que é um local apropriado para o armazenamento de amostragem geológica”.

O incêndio

Os testemunhos geológicos, avaliados em R$ 1 bilhão, estavam depositados irregularmente na parte do Centro Cultural Jorge Zanatta que foi atingida pelo incêndio pelo incêndio do último domingo.

Em agosto foi anunciado que o DNPM projetava remover, até o fim de setembro, as amostras, que seriam enviados à Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CRPM), órgão ligado ao Governo Federal, para restauro e catalogação.