Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Reunião mantém impasse no Santo Antônio

Moradores realizaram assembleia para tratar da utilização do Ginásio de Esportes Joel de Souza
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 25/07/2019 - 09:05
(foto: Heitor Araujo)
(foto: Heitor Araujo)

Segue a disputa no bairro Santo Antônio pela utilização do Ginásio de Esportes Joel de Souza. Nesta quarta-feira, 24, um grupo de moradores organizou uma reunião para tentar resolver o impasse, que envolve a Associação de Moradores do Bairro Santo Antônio (AMBSA), a Sociedade Amigos do Bairro Santo Antônio (SABSA), a prefeitura municipal e a comunidade local. A principal polêmica é a terceirização da administração da estrutura, construída com verba pública. Aproximadamente 15 moradores participaram do encontro.

Ana Lúcia de Souza, presidente da Associação de Moradores, respondeu às perguntas sobre a dificuldade da população em acessar o local. Segundo Ana, a Associação precisava encontrar soluções para a manutenção da estrutura. “A prefeitura nos entregou a chave para administrar e falou: ‘agora vocês podem ir a outras comunidades, ver o modelo e, em cima disso, vocês criam o próprio modelo de administração”, justificou.

A Associação firmou um contrato de locação com uma terceira parte, com o aluguel no valor de aproximadamente R$ 1 mil. O locatário se encarregou com as despesas do ginásio e começou a alugar a quadra no período da noite, das 18h às 22h. No contrato, estão especificados alguns horários em que o ginásio deve permanecer à disposição da comunidade.

Os moradores reclamam da falta de flexibilidade. “O ginásio virou local comercial”, avalia Solange Andreza, moradora do Santo Antônio desde que nasceu. “O nosso sentimento é de revolta. Era um espaço que toda a comunidade usava pra casamento, aniversários, a escola de samba se reunia ali. Hoje a gente não tem mais esse espaço”, queixa-se a moradora.

Ginásio fechado

Parte da população alega que o ginásio está sempre fechado. A AMBSA justifica que não tem condições de manter a estrutura aberta em horários sem atividades sociais. “Para isso, teríamos que pagar alguém para ficar de vigilante”, explica Ana Lúcia. Ela ainda destaca que em alguns períodos da tarde, há um projeto social de escolinha de futsal para crianças e adolescentes, além do espaço destinado à ginástica para as mulheres das 18h às 19h.

Porém, o horário é considerado impraticável pelas moradoras, que pedem flexibilização de meia-hora para o começo da atividade. “A gente trabalha, chega em casa às 18h, como vai ir para a ginástica desse jeito?”, questiona Solange.

O presidente da SABSA, Hilário Lessa, não compareceu à reunião dos moradores e não responde à reportagem. Em contato prévio, ele alegou que a Sociedade cedeu o terreno em que parte do ginásio está construído para a prefeitura, com a promessa de que a sociedade faria a administração do local depois da conclusão da obra, o que não foi cumprido.

União de Associações tenta meio termo

Ao Programa Adelor Lessa, o vereador Edson Paiol, presidente da União de Associações de Bairro de Criciúma, conversou sobre a polêmica no bairro Santo Antônio. Segundo o vereador, deve ser marcada uma reunião na semana que vem para tentar solucionar o impasse.

(foto: Erik Behenck)

“Está uma discussão muito ferrenha, de um não querer ceder pro outro, o que tá errado. Quem tá perdendo é a comunidade. Tem que entrar num consenso, dar um privilégio para a Sociedade de Amigos, porque ela, querendo ou não, cedeu o espaço. Semana que vem vamos convocar uma reunião com as duas partes, colocar frente a frente para acharmos uma saída”.