Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

O perigo dos esquemas de pirâmide

Advogado destaca as ilicitudes por trás dos sistemas de dinheiro fácil
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC, 09/10/2020 - 17:49Atualizado em 09/10/2020 - 17:52
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O esquema de pirâmides financeiras é algo relativamente conhecido entre os brasileiros, de maneira geral. Apesar disso, muitos não sabem que a grande maioria dos esquemas acabam resultando em processos ilícitos e criminosos para ganhar dinheiro, estando o participante sujeito a indiciamentos. 

O professor e advogado especialista em Ciências Penais, Leandro Alfredo da Rosa, ressalta que os esquemas não costumam dar certo e que, quando ilícito, se provado que o envolvido sabia da ilicitude, este pode responder por diversos crimes.
“É um esquema bastante organizado então é preciso atenção quando ocorrem esses convites para captação de dinheiro. É uma forma de negócio bem diferente dos demais, a forma sútil como vem os convites muitas vezes já indicam uma ilicitude. A própria captação constante de pessoas, em que geralmente se paga para entrar na base, também”, declarou.

O advogado ressalta que o esquema acaba se tornando um ciclo vicioso para quem entra, mas sem lucro algum. “Quem está na base da pirâmide e acabou de entrar, vai continuar alimentando quem está em cima, mas acaba não lucrando nada. Geralmente você tem que pagar pacotes e mais pacotes para subir de nível, e acaba perdendo o seu dinheiro”, disse.

Para aqueles que participam da base da pirâmide, dificilmente ouvem falar do “dono” ou “pioneiro” do negócio que de fato conseguiu obter grandes lucros com o esquema. Além disso, em um determinado momento, muitos percebem que estão perdendo o seu dinheiro e precisam convidar outros para não ficar no negativo.

“Fica o alerta para esse tipo de convite, esses tipos de propostas para ganhos fáceis. Até mesmo com a própria internet, através de aplicativos ou propagandas. O hall de crimes é grande, pode ser contra o sistema financeiro, economia popular ou até mesmo estelionato”, reforçou o advogado.