Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

“O carro é a segunda paixão do homem”, diz Renato Costa, da Forauto

O Programa Do Avesso contou com duas gerações da Forauto, de Criciúma. Rubens Costa, o pai, foi um visionário ao fundar a concessionária em 1967; Renato Costa, o filho, comanda a empresa, que completa 50 anos em 2017. Eles falaram sobre a relação dos brasileiros com o carro e as mudanças mais marcantes no setor.
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 27/07/2017 - 14:10Atualizado em 27/07/2017 - 14:53
Rubens e Renato Costa, pai e filho, falam o que mudou no mercado de carros nos últimos 50 anos (foto: Amanda Farias)
Rubens e Renato Costa, pai e filho, falam o que mudou no mercado de carros nos últimos 50 anos (foto: Amanda Farias)

Fundada em 1967, a Forauto, revendedora da Ford, comemora 50 anos em 2017. Os proprietários Renato e Rubens Costa participaram Do Avesso nesta quinta-feira (27), onde contaram um pouco sobre a história da empresa.

“Em 1967 quando começamos com a Forauto, o pessoal perguntava para quem íamos vender automóvel. Naquela época era difícil, os táxis mesmo eram da década de 1940”, contou o fundador, Rubens Costa.

Hoje existe uma grande disputa no mercado de veículos. Se antes as pessoas ficavam até 10 anos com o mesmo automóvel, agora o tempo médio é três anos.

“Daqui a pouco paramos de poluir com o petróleo, mas começamos a poluir com outros tipos, buscando energia para os veículos”, pensou Renato Costa.

Durante esses anos nem sempre foi fácil vender carros. Até 1990 o Brasil controlava as importações. Nos últimos anos, com as políticas de divisão de renda essa realidade mudou.

“A melhor época para vendas foi agora antes da queda, nos últimos anos. Nós vendíamos fácil carros zero”, lembrou Rubens.

Em 2016 a Forauto recebeu um prêmio da Ford devido a ações sociais realizadas na região. A montadora conta com mais de 10 mil revendedoras.

“Nós ganhamos um prêmio entregue apenas para seis empresas do mundo”, destacou Renato.

Nestes 50 anos o Brasil passou de um país que não dava lucros a um dos principais mercados. O EcoSport desenvolvido aqui se tornou um dos maiores sucessos, vendido em 180 países.