Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Novas restrições da Amrec poderão trazer prejuízos aos restaurantes

Diretor da Via Gastronômica de Criciúma afirma que restaurantes fecharão caso decreto seja aprovado
Paulo Monteiro
Por Paulo Monteiro Criciúma - SC , 29/07/2020 - 11:40Atualizado em 29/07/2020 - 11:43
Foto: arquivo / 4oito
Foto: arquivo / 4oito

As novas medidas restritivas de combate à Covid-19 anunciadas pela Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) poderão trazer prejuízos aos restaurantes da região. De acordo com o novo decreto, os estabelecimentos gastronômicos funcionariam das 6h às 21h, de segunda a sexta-feira. No fim de semana, eles estariam fechados.

“Se isso acontecer vai ser um absurdo total, vai render mais desemprego ainda no setor de hotelaria e gastronomia. Serão mais casas fechando, sendo que já fecharam várias. Neste momento, este decreto seria uma pá de cal em muita gente”, declarou o diretor comercial da Via Gastronômica de Criciúma e dono da Churrascaria Apolo, Leandro Vetorazzi.

Confira também - Amrec amplia restrições no combate à Covid-19

Leandro afirma que, no momento, estabelecer o atendimento presencial somente das 6h às 21h nos restaurantes é praticamente impossível, já que a grande maioria do público começa a chegar justamente no período da noite. “Dessa forma, seria melhor fechar por completo até o dia de voltar e, quem tiver delivery, utilizá-lo”, disse.

O diretor comercial da Via Gastronômica ainda ressalta o grande cuidado que os restaurantes estão tomando neste período de pandemia, com medidas higiênicas de segurança e distanciamento de mesas. O empresário comenta que, atualmente, o grande vetor de contaminação da Covid-19 se dá em festas privadas, e não em restaurantes. 

“Os restaurantes sempre foram seguros, e nossa Vigilância Sanitária está fazendo um belíssimo trabalho. É aguardar e esperar que isso realmente não aconteça porque, se acontecer, mais casas irão fechar e mais pessoas ficaram desempregadas”, disse Leandro.